Dien Bien Phu, 1954: o crepúsculo francês no Vietnã

soldados viet mihn hasteando bandeira em dien bien phu
Fotografia da tomada de uma das posições francesas de defesa em Dien Bien Phu, em 1954. Soldado Viet Minh faz a bandeira socialista tremular sobre as posições francesas em ruínas. Créditos: autoria desconhecida.

Durante os primeiros meses de 1954, os franceses pagaram caro por desprezar a capacidade e determinação dos soldados vietnamitas liderados por Vo Nguyen Giap na batalha de Dien Bien Phu. Em um terreno que o exército francês supunha intransponível, Giap movimentou num curto período de tempo milhares tropas e equipamentos com homens, animais e bicicletas. Com táticas que seriam utilizadas posteriormente contra os EUA, o general vietnamita armou um cerco e venceu o “plano francês” — a França se retirou, a independência total do território do Vietnã foi proclamada, ainda que a partir de sua divisão em duas nações (Vietnã do Norte e Vietnã do Sul), e a semente que anos mais tarde daria início à Guerra do Vietnã veio a ser plantada.

 Ao longo dos séculos XIX e XX, a história do Vietnã se escreveu sob o signo das constantes tentativas de domínio de seu território por potências estrangeiras, bem como pela prolongada luta travada por seu povo visando proclamar sua independência.

Esta conturbada história teve seu início a partir da segunda metade do Século XIX, quando a região da Indochina, onde se situa o Vietnã, foi militarmente incorporada ao antigo território ultramarino colonial francês. Durante um breve período (1940 – 1945) em meio à Segunda Guerra Mundial, o Japão chegou a ter controle sobre esta região do sudeste asiático, findado com a derrota do país neste conflito. No imediato pós-guerra, britânicos, franceses e estadunidenses pretendiam manter sua influência na região: visavam controlar a crescente influência socialista que irradiava da URSS e já pairava sobre a China.

Em 1941, vietnamitas situados no norte do país e liderados por Ho Chi Minh e Vo Nguyen Giap criaram o Viet Minh: movimento nacionalista de inspiração socialista para combater qualquer influência estrangeira contrária aos seus interesses. Em 2 de setembro de 1945 (fim da Segunda Guerra Mundial), Ho Chi Minh proclamou a criação da República Democrática do Vietnã ao norte do país, com capital em Hanói. No sul, tropas britânicas supervisionavam a rendição japonesa e o poder colonial francês foi restaurado.

O diálogo entre a França e o Viet Minh foi iniciado visando estabilizar a situação da região, mas não houve acordo: a guerra teve início com a guerrilha liderada por Giap. As disputas se prolongaram por oito anos e pouca coisa havia mudado: os franceses permaneciam no sul (“industrializado”) e o Viet Minh no norte (rural).

Com o fim da Guerra da Coréia (1950 – 1953), os efetivos norte-vietnamitas começaram a receber significativa qualificação a partir do apoio prestado pela China de Mao Zedong, que redirecionou suas prioridades às forças de Giap. Ainda que soubessem do suporte chinês, as forças armadas francesas tratavam o exército Viet Minh como “um bando de camponeses atrasados”.

Decididos a encerrar o conflito, os franceses nomearam o general Henri Navarre como comandante de suas forças no Vietnã. Para tanto, este general concebeu um plano, visando atrair as forças de guerrilhas de Giap para campo aberto e destruí-las.

O lugar escolhido foi a pequena vila de Dien Bien Phu, situada no coração dos domínios de Ho Chi Minh. O plano de ataque francês pretendia dividir o território inimigo em dois e cortar suas rotas de fornecimento de materiais e armamentos que vinham do Laos e da China. Dien Bien Phu também parecia ser boa para a logística francesa: o local possuía pista de pouso e ficava relativamente próximo de outras guarnições francesas no Laos. Uma vez estabelecidos nas imediações da vila, as forças coloniais francesas poderiam lançar “campanhas de limpeza” na região.

Vitória norte-vietnamita, a semente da Guerra do Vietnã

No fim de 1953, teve início a Batalha de Dien Bien Phu: para azar das forças francesas, a chegada de suas primeiras tropas se deu justamente durante um exercício de treinamento militar realizado pelo exército Viet Minh.

paraquedistas franceses em Dien Bien Phu
Um dos derradeiros saltos realizados em maio de 1954. Créditos: Warner Pathé News.

Ainda que bem elaborada, a ofensiva francesa veio a sofrer uma fragorosa derrota nas mãos das tropas lideradas por Giap. Contando com profundo conhecimento do território de batalha, bem como com a bravura e dedicação de seus soldados, os norte-vietnamitas levaram a melhor: devastaram as tropas francesas em 7 de maio de 1954.

A derrota em Dien Bien Phu causou furor no oficialato francês e deixou Paris atônita: tamanho foi o impacto do resultado desta batalha que os franceses encerraram a Guerra ainda em junho deste mesmo ano, retirando inteiramente suas tropas estabelecidas no Vietnã.

Ho Chi Minh condecorando soldados
O presidente do Vietnã do Norte, Ho Chi Minh, condecorando soldados após a batalha.
Créditos: autoria desconhecida.

As consequências da derrota igualmente abalaram a frágil sustentação da Indochina Francesa: no mesmo ano, Laos e Camboja também se tornaram livres do jugo colonizador.

Ainda que integralmente independente, o Vietnã veio a ser dividido em dois países (Vietnã do Norte e Vietnã do Sul) nos acordos que puseram fim ao conflito. Segundo os Acordos de Genebra (1954), a divisão do território do Vietnã seria temporária: estava prevista a realização de eleições visando unificar o país, jamais realizadas.

O Vietnã do Norte ficou sob a tutela de Ho Chi Minh e o Vietnã do Sul, apoiado pelos norte-americanos, governado por Ngo Dinh Diem: o equilíbrio da região se mantinha a partir de uma tênue e tensa linha de relações entre os dois países, logo rompidas com as crescentes escaramuças que levaram ao início da Guerra do Vietnã (1955–1975).

REFERÊNCIAS:
BLAINEY, Geoffrey. Uma Breve História do Século XX. São Paulo, SP: Fundamento, 2008.
CAWTHORNE, Nigel. As Maiores Batalhas da História: Estratégias e Táticas de Guerra que Definiram a História de Países e Povos. trad. Glauco Dama. São Paulo: M. Books, 2010.
CAWTHORNE, Nigel. Os 100 Maiores Líderes Militares da História. trad. Pedro Libânio. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010.
CHANG, Jung; HALLIDAY Jon. Mao: A história desconhecida. trad. Pedro Soares. São Paulo: Companhia de Letras, 2006.
GILBERT, Adrian. Enciclopédia das Guerras: Conflitos Mundiais Através do Tempo. trad. Roger dos Santos. São Paulo: M. Books, 2005.
YUDENITSCH, Natália; MUTO, Eliza; ONÇA, Fábio. Guerra do Vietnã – 1965 – 1975. Revista Aventuras na História: Coleção Grandes Guerras. São Paulo: Abril, n. 2, out. 2004.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]
Autor: Eudes Bezerra

30 anos, pernambucano arretado e graduado em Direito. Diligencia pesquisas sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar. Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top