7 Armas da Primeira Guerra Mundial

soldados e cachorros com máscaras de gás
Soldados alemães e cachorros usando máscaras de gás para se prevenir da guerra química. Créditos: Bettmann / Corbis.

Empregando os frutos da revolução industrial, as potências nacionalistas da Europa incluíram no tabuleiro de guerra grandes inovações tecnológicas. Confira algumas das terríveis armas da primeira guerra mundial!

Crivando, despedaçando, incinerando e asfixiando… Tudo era válido para matar o máximo de inimigos em menos tempo, acreditando que a guerra assim acabaria na mesma velocidade.

1 PAZ ARMADA, INVESTIMENTO NAS ARMAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Este período, que ficou conhecido como Paz Armada, não tem uma data propriamente dita para marcar o seu início, mas por vezes se diz que teria ocorrido com a Conferência de Berlim (1884–1885) e durado até o início da Primeira Guerra Mundial (1914).

Antes de a Grande Guerra começar, somas financeiras astronômicas tinham sido investidas nas últimas décadas para o refinamento bélico. A cada nova tecnologia que surgia, os antigos planos de ataque e defesa eram atualizados. Faltava apenas a oportunidade para pôr em prática o ensaio.

2 A OPORTUNIDADE: A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

As armas da Primeira Guerra Mundial cuspiram aço e fogo em 28 de julho de 1914, quando o império austro-húngaro invadiu a Sérvia buscando retaliação pelo assassinato de Francisco Ferdinando. O arquiduque Ferdinando, herdeiro do império, tinha sido assassinado pelo nacionalista sérvio Gravilo Princip exatamente um mês antes.

O conflito terminou quatro anos depois, em 1918, deixando um imenso rastro de destruição que arruinou a Europa. Ao menos 9 milhões de soldados foram mortos e outros 30 milhões tiveram seus corpos mutilados. 20 milhões de civis também pereceram na guerra.

OBSERVAÇÃO

A Grande Guerra testemunhou uma infinidade de armamentos e técnicas, de modo que esta lista simplesmente não teria condições de examinar todas. Alicerçada sobre isso, esta lista elencou 7 Armas da Primeira Guerra Mundial emblemáticas e que entraram para a história da guerra causando grande destruição.

3 ARMAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

3.1 Lança-chamas

Desenvolvido em 1901 pelo alemão Richard Fiedler, o moderno lança-chamas teria sido agregado às forças germânicas em 1911. Franceses e ingleses também utilizaram os seus modelos, mas com elevada ressalva devido às dificuldades do emprego e a extrema vulnerabilidade do seu portador.

O mais notório no emprego dessa arma era o devastador efeito psicológico causado. O desespero e o grito dos soldados ardendo em chamas juntamente com o forte cheiro de carne humana sendo consumida representava uma brutal e traumática imagem da guerra moderna, o que por vezes causou grande repulsa a essa arma.

lança-chamas uma das armas da primeira guerra mundial
O lança-chamas era tão temido que os próprios operadores costumavam ser detentos libertados para servir no exército alemão, 4 de abril de 1917. Créditos: Arquivo Federal Alemão.

3.2 Metralhadoras

Embora a sua concepção tivesse ocorrido algumas décadas antes pelo norte-americano Isaac Newton Lewis, somente por ocasião da Primeira Guerra Mundial as metralhadoras foram largamente utilizadas e aperfeiçoadas devido a sua impressionante quantidade de disparos por minuto.

No início eram pesadíssimas e somente o exército alemão estava completamente integrado com a nova arma. Porém, logo a ceifadora de vidas em rajadas se alastraria aos demais exércitos por ocasião de modelos mais leves e compactos.

metralhadora lewis primeira guerra mundial
Soldados norte-americanos a metralhadora leve Lewis, 1917. A metralhadora era capaz de realizar 550 tiros por minuto. Créditos: Harris & Ewing / Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos.

3.3 Gases Venenosos

Em 22 de abril de 1915, durante a Segunda Batalha de Ypres, os alemães lançaram um grande ataque de gás de cloro sobre trincheiras ocupadas por britânicos, franceses e argelinos. Em apenas 10 minutos, 5 mil soldados estavam mortos e milhares feridos.

O poder destrutivo da arma química rapidamente seduziu os demais exércitos que passaram a utilizar o gás de cloro e outros elementos, sobressaindo-se o famoso assassino químico da Primeira Guerra, o gás mostarda.

soldados atacando com gases venenosos
Tropas de assalto alemãs protegidas por uma nuvem de gás fosgênio na França. Créditos: Hulton-Deutsch Collection / CORBIS. ID: HU037075.

3.4 Encouraçados, os dreadnoughts

Os encouraçados surgiram na Inglaterra em 1906 com o lançamento ao mar do poderoso HMS Dreadnought, um imenso navio de guerra com mais de 18 mil toneladas, padronizado com dez canhões de 12 polegadas e motores a gás.

Os encouraçados eram navios extremamente resistentes e poderosos contra qualquer outro tipo de embarcação e defesas costeiras. Os encouraçados se tornariam tão poderosos que eram facilmente capazes de ostentar alguns dos maiores canhões da história.

encouraçado dreadnought
O encouraçado britânico HMS Dreadnought em 1906 revolucionou a guerra naval de modo que o seu nome se tornou sinônimo de encouraçado em diversas nações. Créditos: Centro Histórico da Marinha dos EUA.

3.5 Tanques de guerra

Criado pelos britânicos com a promessa de quebrar o impasse da guerra de trincheiras, os tanques de guerra surgiram em 1916 com o Mark I. Blindados, tracionados por lagartas e muito bem armados, mostravam-se uma promissora arma de guerra. Contudo, ainda eram engenhos confusos e demandavam de paciência de seus tripulantes.

Os franceses estavam desenvolvendo tanques bem avançados, quando a guerra terminou e todos os investimentos foram cancelados. Porém, as ideias permaneceram e os veículos adquiririam a maturidade na Segunda Guerra Mundial, ganhando o apelido de os reis do campo de batalha.

tanque mark I
Tanque britânico Mark I, o primeiro tanque de guerra da história a entrar em operação. Créditos: autoria desconhecida.

3.6 Aviões

Os aviões sem dúvida representaram a maior inovação armamentista da Primeira Guerra Mundial, visto que, embora recentemente inventados, já se projetavam sobre a guerra. Logo a aviação militar ganharia seus ases, sobretudo o Ás dos Ases, o alemão Manfred Von Richthofen (O Barão Vermelho).

Inicialmente restritos a funções de reconhecimento, logo passaram a desempenhar funções de escolta e bombardeio. No fim da guerra surgiria o conceito de bombardeio estratégico, onde o foco é a destruição do parque industrial inimigo para sua limitação de guerrear ou mesmo colapso dos meios de produção.

Handley Page uma das armas da primeira guerra mundial
Handley Page, um eficiente bombardeiro britânico da Primeira Guerra Mundial. Créditos: autoria desconhecida.

3.7 Submarinos

Chamados por vezes de lobos do mar, os submarinos foram destacadamente utilizados pela Alemanha que visava arruinar a poderosa marinha de superfície britânica para tomar o controle dos mares.

Diversos tipos de submarinos foram criados ao longo da Primeira Guerra Mundial, destacando-se as funções de caças (ataque), transportes, patrulhas e o lançamento das terríveis minas marítimas.

submarino alemão torpedeando embarcação
O exato — e extraordinário — momento em que um submarino alemão na superfície torpedeia uma embarcação mercante, atingindo-a em cheio. Créditos: Brusselle Arthur / Museu Imperial da Guerra, ID: Q20343.
REFERÊNCIA(S):
CUMMINS, Joseph. As Maiores Guerras da História. trad. Vania Cury. Rio de Janeiro: Ediouro, 2012.
GILBERT, Adrian. Enciclopédia das Guerras: Conflitos Mundiais Através do Tempo. trad. Roger dos Santos. São Paulo: M. Books, 2005.
WILLMOTT, H. P.. Primeira Guerra Mundial. trad. Cecília Bartalotti, Myriam Campello, Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: contato@incrivelhistoria.com.br
Autor: Eudes Bezerra

30 anos, pernambucano arretado e graduado em Direito. Diligencia pesquisas sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar (enlouquece quando o plano dá certo!). Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top