Aníbal Barca e a travessia dos Alpes com seu elefantes

exército de aníbal barca cruzando alpes
“Ou nós encontramos um caminho, ou abrimos um” — respondeu Aníbal aos seus generais quando estes declararam ser impossível tal travessia dos Alpes. Créditos: Andrew Howat.

Dando início a uma das campanhas militares mais extraordinárias da História, o general cartaginês Aníbal transpôs os elevados Pirineus e Alpes com milhares de homens e animais durante a Segunda Guerra Púnica. O feito nunca dantes ocorrido fora algo tão incrível que agraciou o jovem comandante com a imortalidade antes mesmo que desembainhasse sua espada para trucidar romanos.

A Segunda Guerra Púnica (218–201 a.C.)

Deflagrada a Segunda Guerra Púnica, em 218 a.c., o general africano expôs seu ousado plano de invasão da Península Itálica. “Ele reconheceu que a maior força de Roma estava em seu controle da Itália, e urdiu um ousado plano para invasão, prevendo a condução de um exército por terra desde a Espanha, passando pelo sul da França e cruzando os Alpes”. (GILBERT, 2005, p. 28-29)

Em 218 a.c., Aníbal Barca foi reforçado por tropas advindas de Cartago e, diante de aproximadamente 40 mil soldados e 40 elefantes de guerra, marchou em direção a Roma transpondo a neve, sobrevivendo a deslizamentos e infortúnios das mais diversas naturezas.

A travessia dos Alpes

pintura de homens e elefantes nos alpes
Após a travessia dos Pirineus, quando o exausto exército cartaginês se defrontava contra a nova provação, os desencorajantes Alpes, Aníbal ecoou discurso épico que revigorou o moral das tropas. Créditos: autoria desconhecida.

Após atravessar os Pirineus, depois de resistir às emboscadas das tribos gaulesas no sul da atual França, o cansaço corrompedor que se aplacava sobre o exército cartaginês se impôs duramente, principalmente quando na chegada aos pés dos Alpes: diante de tal obstáculo extraordinário e desencorajador, Aníbal imortalizou palavras, das quais se retira:

O que vocês pensam que são os Alpes? Não passam de montanhas altas. Nenhuma elevação é intransponível para homens decididos!”.

Revigorado pelas palavras do general que era comparado a um pai por seus comandados, a centelha da bravura cartaginesa inflamou e o exército seguiu firme para domar os Alpes e guerrear contra Roma. “Por fim, ao cabo de longos quinze dias, os vales férteis da Itália apareceram à frente, como se fossem uma miragem. Toda a marcha, desde Cartago, tinha durado cinco meses; Aníbal perdera 12 mil homens e a maior parte de seus lendários elefantes. Mas tinha chegado à Itália e estava pronto para levar a guerra até Roma”. (CUMMINS, 2012, p. 37)

mapa da campanha de aníbal barca
Percurso total de Aníbal durante a Segunda Guerra Púnica. Créditos: autoria desconhecida

Após as árduas travessias (Pirineus e Alpes), Aníbal, embora com reduzido número de soldados, prosseguiu e logo dedicou graves derrotas a Roma, nas Batalhas de Ticino e Trébia. Tais vitórias empolgaram tribos gaulesas que lhe prometeram lealdade, constituindo, por fim, um temido exército a serviço de Cartago que imporia uma série de derrotas frustrantes à república romana.

“Enquanto Aníbal é reverenciado pelos historiadores por suas habilidades táticas, a maior parte das pessoas terá na lembrança o fato de ele ter conduzido seu exército, com elefantes, pelos [Pirineus e] Alpes. Isso foi de fato um empreendimento extraordinário – nenhum outro grande grupo humano havia feito essa jornada anteriormente – e mostrou que Aníbal tinha audácia, visão e autoconfiança, apenas por tentar fazer aquilo”. (CUMMINS, 2012, p. 36, acréscimo nosso)

REFERÊNCIAS:
CAWTHORNE, Nigel. Os 100 Maiores Líderes Militares da História. trad. Pedro Libânio. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010.
CUMMINS, Joseph. As Maiores Guerras da História. trad. Vania Cury. Rio de Janeiro: Ediouro, 2012.
GILBERT, Adrian. Enciclopédia das Guerras: Conflitos Mundiais Através do Tempo. trad. Roger dos Santos. São Paulo: M. Books, 2005.
ONÇA, Fábio. Romanos X Cartagineses: Três guerras e um vencedor. Revista Aventuras na História: Coleção Grandes Guerras: Guerras da Antiguidade. São Paulo: Abril, n. 3, p. 40-45, jan., 2005.
RIBEIRO, Flávia. Aníbal: o terror dos romanos. Acesso em: 4 abril 2014.
VILAR, Leandro. Aníbal Barca. Acesso em: 4 abril 2014.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]
Autor: Eudes Bezerra

31 anos, pernambucano arretado e graduado em Direito. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar. Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top