Marina Ginesta, ícone da Guerra Civil Espanhola

marina ginesta sorrindo para fotografia, sentindo o vento lhe tocar os cabelos
Marina Ginesta no último piso do Hotel Colón Barcelona em 21 de julho de 1936, durante a Guerra Civil Espanhola. Créditos: Juan Guzmán (Hans Gutmann).

O ar da juventude idealista contrastando com a terrível realidade da época se tornou uma fonte de inspiração no mundo todo, onde o Nazifascismo ameaçava a humanidade com guerra e destruição. Marina Ginesta, com apenas 17 anos, impõe-se serenamente vestindo um macacão com as mangas da camisa enroladas, um rifle pendurado no ombro e um olhar bem focado nas lentes do fotógrafo.

Seu singelo sorriso consegue transmitir tranquilidade, vontade e um pouco de ironia, ao passo que seu cabelo é elegantemente chicoteado pelo vento. Marina, neste belo dia Verão, parecia convidar homens e mulheres à luta…

A fotografia é um dos registros mais simbólicos da Guerra Civil Espanhola (1936–1939), onde a jovem guerrilheira Marina Ginesta dispara seu olhar aparentemente calmo nos primeiros dias do conflito. Amplamente considerada uma obra-prima, a imagem teve sua cristalização realizada por Juan Guzmán (Hans Gutmann) no último piso do Hotel Colón Barcelona, em Barcelona, na Espanha, em 21 de julho de 1936.

Décadas mais tarde, a jovem teria dito a respeito da época:

A juventude, a vontade de vencer, levei isso a sério. Acreditávamos que, se resistíssemos, ganharíamos a guerra.”

A simplicidade da foto ainda hoje é capaz de suscitar fortes emoções de um período em que o mundo se preparava para o mais sombrio evento da história, a Segunda Guerra Mundial (1939–1945).

“A Guerra Civil Espanhola foi um conflito travado entre os nacionalistas comandados pelo general Franco (apoiado pelos nazifascistas) e os governistas republicanos do socialista Caballero (apoiado pela URSS); dentre os interesses das nações estrangeiras, entretanto, encontrava-se também a oportunidade de testes práticos para novas estratégias, manobras e armas de guerra[, que seriam largamente utilizadas na Segunda Grande Guerra (1939–1945)].” (BEZERRA, 2016, s/p, acréscimo nosso)

fachada do hotel colón de barcelona
Hotel Colón Barcelona em 1916. Créditos: autoria desconhecida.

Marina Ginesta Coloma nasceu em 29 de janeiro de 1919 em Toulouse, na França, mudou-se para Barcelona com seus pais aos 11 anos e poucos anos depois se filiou ao Partido Socialista Unificado da Catalunha. Exerceu as funções de jornalista e tradutora para o correspondente soviético do Jornal Pravda, Mikhail Koltsov.

Na ocasião da foto, o fotógrafo Hans Gutmann solicitou que a jovem Ginesta fizesse algumas fotos preparada para guerra que acabara de ser iniciada, mas não imaginava a tamanha repercussão que seu registro causaria, ao ponto de se tornar um ícone da época.

Marina Ginesta sobreviveu à guerra, vindo a falecer somente em 6 de janeiro de 2014, em Paris, na França. Contava 94 anos de idade.

marina ginesta idosa segurando quadro com sua fotografia icônica
A Sra. Ginesta, em 2008, com uma cópia da sua icônica foto cristalizada durante a Guerra Civil Espanhola. Créditos: Agência EFE / REX.
REFERÊNCIAS:
BEZERRA, Eudes. Asas de aço e fogo sobre a Terra: a poderosa Legião Condor. Acesso em: 9 mar. 2016.
BUADES, Josep M. A Guerra Civil Espanhola. São Paulo: Contexto, 2013.
Telegraph. Marina Ginestà – obituary. Acesso em: 9 mar. 2016.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]
Autor: Eudes Bezerra

31 anos, pernambucano arretado e graduado em Direito. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar. Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top