O Massacre do Carandiru

multidão em frente ao presídio do carandiru
Entrada da Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru. Multidão à espera de notícias. Créditos: autoria desconhecida.

No dia 2 de outubro de 1992, 111 presos foram covardemente assassinados na Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru. Sob o comando do Coronel Ubiratan Guimarães, a Tropa de Choque da Polícia Militar paulista invadiu o presídio e rapidamente encerrou a rebelião que lá vigorava. Todavia, a brutalidade exercida pela polícia desvirtuou a pacificação e o evento ficou mundialmente conhecido como o Massacre do Carandiru.

O massacre ocorreu no Pavilhão 9, onde costumavam ficar os presos mais novos, inexperientes e que aguardavam julgamento. Dizia-se que era o pavilhão onde se tinha mais chances de rebeliões irromperem, visto que grande parcela dos seus ocupantes eram jovens, violentos e indisciplinados. Ainda hoje não se sabe ao certo o que teria causado a rebelião no pavilhão. Acredita-se que uma briga banal durante uma partida de futebol tenha sido o estopim.

Fotos sobre o Carandiru:

tropa de choque entrando no presídio do carandiru
Tropa de Choque da Polícia Militar paulista entrando no complexo penitenciário do Carandiru.
Créditos: autoria desconhecida.
cadáveres do massacre do carandiru
Registro pericial acerca de parte dos mortos do pavilhão 9.
Créditos: Niels Andreas/Folhapress.

O Coronel Ubiratan foi inicialmente condenado a 623 anos em 2001, mas conseguiu a absolvição em seu julgamento recursal em 2006. Porém, em 9 de setembro do mesmo ano, o ex-Coronel da Polícia Militar foi assassinado em seu apartamento. Sua então namorada, a advogada Carla Cepolina, foi acusada do homicídio, mas inocentada por falta de provas.

O ocorrido dentro dos corredores e celas do Carandiru gerou acalorados debates nos mais diversos setores da população brasileira, onde alguns se solidarizaram com a família dos mortos, ao passo que outros defenderam a armada policial e o Coronel Ubiratan, o qual se tornou político com o intrigante número “111”.

Em 2002, o completo penitenciário do Carandiru foi demolido.

multidão em frente ao presídio do carandiru
Familiares e amigos dos detentos aguardando notícias durante a rebelião.
Créditos: Luiz Novaes/Folhapress.
O Coronel Ubiratan Guimarães prestando seu depoimento sobre o ocorrido no Pavilhão 9
O Coronel Ubiratan Guimarães prestando seu depoimento sobre o ocorrido no Pavilhão 9.
Créditos: Luiz Carlos Murauskas/Folhapress.
Vista panorâmica do completo penitenciário do Carandiru, 1992
Vista panorâmica do completo penitenciário do Carandiru, 1992. Créditos: Folhapress.
implosão do carandiru
Parte dos pavilhões do Carandiru sendo implodidos, 2002. Toda parte do complexo penitenciário masculino foi ao chão. No seu lugar, uma grande área de lazer foi construída: parque, pista de skate, biblioteca, etc.. Créditos: Angelo Perosa/Pool.
REFERÊNCIAS:
BATISTA, Lizabeth. Ascensão e queda do Carandiru: da primeira pedra ao massacre.  Acesso em: 30 set. 2014.
GARCIA, Janaína. Após ser condenado a 623 anos por massacre, coronel Ubiratan foi absolvido e assassinado em 2006. Acesso em: 1º out. 2014.
PIZA, Paulo Toledo; THOMAZ, Paulo Kleber; SANCHEZ, Giovana. Massacre que matou 111 presos no Carandiru completa 20 anos. Acesso em: 1º out. 2014.
VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia de Letras, 1999.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]
Autor: Eudes Bezerra

31 anos, pernambucano arretado e graduado em Direito. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar. Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top