Provenzano, o Trator, chefão mafioso passou 43 anos foragido

policiais e Bernardo “Trator” Provenzano
Bernardo “Trator” Provenzano preso e escoltado por agentes mascarados do governo italiano.
Créditos: autoria desconhecida

Sem se afastar por muito tempo de sua querida terra natal, a Sicília, Bernardo “Trator” Provenzano se encontrou fora do alcance dos organismos italianos e internacionais desde 1963, quando finalmente acabou descoberto e preso em 2006. A notícia de sua prisão foi algo tão histórico para o povo italiano que quase não deixou espaço nas primeiras páginas dos jornais para o resultado das eleições nacionais.

Nunca usou o telefone e toda a sua comunicação era feita por intermédio de pequenos bilhetes manuscritos, normalmente assinados com uma benção religiosa. Sem ser detectado na época, ele viajou para Marselha, França, em 2002, onde se submeteu a uma cirurgia para retirada de um tumor na próstata, operação pela qual, de forma impressionante, foi reembolsado pelo sistema de saúde italiano”.
(KERR, 2010, p. 130)

A prisão do chefe mafioso foragido há incríveis 43 anos foi realizada no dia 11 de abril de 2006, na Sicília, Itália. Bernardo Provenzano, também conhecido como o Fantasma de Corleone, foi preso em uma simples choupana em que vivia aos 73 anos de idade.

A caçada a Provenzano

Foi quase meio século de buscas, frustrações e trocas de chefia nos órgãos de persecução criminal do governo italiano. O mais incrível é o fato de sempre se manter por perto da capital siciliana, Palermo. Há informações sobre fotos e vídeos de Provenzano perambulando pela pequenina ilha do Mar Mediterrâneo, mas não se conhecia seu rosto e até se cogitava sua morte.

A última fotografia do mafioso pertencia ao seu passaporte e datava 1950 (13 anos antes de seu desaparecimento). O envelhecimento realizado por programas de computador pouco havia ajudado nas investigações e denunciá-lo nunca foi uma opção “saudável” aos que conhecem a Máfia — boca fechada evita uma fenda na garganta.

policiais e Bernardo “Trator” Provenzano
Bernardo Provenzano em 1950 e 2006. Créditos: autorias desconhecidas.

O apelido Trator

Bernardo Provenzano recebeu a alcunha de o Trator por passar por cima de seus concorrentes e inimigos como tal. Tornou-se o chefão da Famiglia Corleonesi e posteriormente o capo di tutti i capi (chefe de todos os chefes) da Cosa Nostra. Diz-se que ele atirava como um anjo e que veio à Terra para matar.

Encontrava-se foragido desde o ano de 1963 após uma devastadora série assassinatos e atualmente cumpre diversas penas perpétuas em penitenciárias de segurança máxima, onde é vigiado 24 horas/dia por câmeras de vídeo e seu único contato se restringe ao advogado.

REFERÊNCIAS:
CAWTHORNE, Nigel. A História da Máfia. trad. Guilherme Miranda. São Paulo: Madras, 2012.
KERR, Gordon. Assassinos Profissionais. trad. Alexandre Martins. Larousse do Brasil: São Paulo, 2010.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]
Autor: Eudes Bezerra

30 anos, pernambucano arretado e graduado em Direito. Diligencia pesquisas sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar. Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top