Decapitação durante o Massacre de Nanquim

soldados decapitando homem
Flagrante de decapitação durante o Massacre de Nanquim (1937-1938).
Créditos: autoria desconhecida.

Registro fotográfico do exato momento em que um soldado japonês decapita prisioneiro chinês com sua espada no final da década de 1930, na China. A prática, embora usual de acordo com a tradição japonesa, foi usada extensivamente durante a ocupação nipônica como arma psicológica.

A decapitação foi mais uma entre milhares de atos iguais ou semelhantes que ocorreram durante o chamado Massacre de Nanquim (ou Estupro de Nanquim), na cidade chinesa que dá nome à carnificina. O massacre teve como pano de fundo a Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937-1945) e teria custado a vida de aproximadamente 280 mil chineses, que foram brutalmente torturados, estuprados e assassinados com os métodos mais sórdidos possíveis.

O massacre, apesar de carecer do reconhecimento oficial do governo japonês, é costumeiramente propagado como o mais bem documentado do século XX, visto que os próprios japoneses trataram de registrá-lo de modo sádico e incansável.

soldado decapitando homem
Outra decapitação ocorrida durante o Massacre de Nanquim. Créditos: autoria desconhecida.
REFERÊNCIAS:
ALTMAN, Max. 1937 – Japão dá início ao Massacre de Nanquim. Acesso em: 2 jul. 2014.
CHANG, Jung; HALLIDAY Jon. Mao: A história desconhecida. trad. Pedro Soares. São Paulo: Companhia de Letras, 2006.
WHITE, Matthew. O grande livro das coisas horríveis: a crônica definitiva das cem piores atrocidades da história. trad. Sergio Moraes Rego. Rio de Janeiro: Rocco, 2013.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]
Autor: Eudes Bezerra

31 anos, pernambucano arretado e graduado em Direito. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar. Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top