Invasões holandesas no Brasil Colônia

invasões holandesas no Brasil colonial
As Invasões Holandesas e o sucesso na conquista de Pernambuco marcaram o auge do ciclo açucareiro no Brasil, assim como a sua decadência. Créditos: Nicolaas Visscher / Montagem: Eudes Bezerra.

Das Invasões Holandesas ocorreu o sucesso na conquista da Capitania de Pernambuco, que possibilitou aos holandeses estender seu domínio por quase todo o Nordeste.

Durante esse período, a sede holandesa, Recife, passou por grandes mudanças estruturais por parte do conde alemão Maurício de Nassau, o Governador-Geral, que ainda hoje evoca um sentimento paterno nos pernambucanos.

Nassau fundou a Cidade Maurícia ― uma tentativa de réplica tropical da capital holandesa com traçados geométricos e canais.

A nova cidade também ajudou a melhorar a situação de uma população calculada em 7 mil indivíduos, que vivia em condições de higiene críticas.

Essa era a Maurits-Stadt […]”. (SCHWARCZ; STARLING, 2015, p. 61)

Boa leitura!

SUMÁRIO: INVASÕES HOLANDESAS

1. Contexto das Invasões Holandesas no Brasil
⠀⠀1.1 Invasões francesas e holandesas no Brasil Colônia
2. Inimigas mortais: Espanha x Holanda
3. Criação da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais
⠀⠀3.1 Primeiras invasões holandesas: Bahia, sede do Governo-Geral
⠀⠀3.2 Conquista de Pernambuco pelos holandeses
4. Era Maurício de Nassau
⠀⠀4.1 Retratações do Brasil Holandês
⠀⠀4.2 Demissão de Maurício de Nassau, o Brasileiro
5. Portugal retoma a soberania: fim da União Ibérica
6. Insurreição Pernambucana
⠀⠀6.1 As Batalhas dos Guararapes
⠀⠀6.2 Nascimento do exército brasileiro
7. Pós-Batalhas dos Guararapes
⠀⠀7.1 Tratado de Haia: Portugal compra a ausência holandesa no Brasil
8. Holandeses nas Antilhas e decadência do açúcar no Brasil
Referências

1. CONTEXTO DAS INVASÕES HOLANDESAS NO BRASIL

À época das invasões holandesas no Brasil, a coroa portuguesa se encontrava unida à espanhola na chamada União Ibérica (1580–1640), que na prática era dirigida pela coroa espanhola.

A Espanha detinha o poder e se mostrava mais interessada pela manutenção dos seus territórios já consolidados e em restaurar a sua caótica ordem financeira. Portugal, por sua vez, via-se “aprisionado” por estar com o trono português “vago”.

Com o controle espanhol, os adversários da coroa da Espanha naturalmente viram os territórios lusitanos como oportunidades de captura.


1.1 Invasões francesas e holandesas no Brasil Colônia

Franceses e principalmente holandeses, diante da União Ibérica, criaram ações mais empenhadas para tirar proveito da situação.

Os franceses extraíram Pau-Brasil e tentaram algumas invasões sem sucesso no Sudeste e no Norte, sendo a única e duradoura a que conhecemos atualmente como Guiana Francesa.

Os holandeses, por seu turno, investiram em uma invasão do Brasil Colônia com vista no alto rendimento do açúcar e outras matérias-primas que poderiam ser objeto de grande lucro.

Assim, basicamente, era o contexto que precedeu as invasões holandesas no Brasil Colônia.

invasões holandesas união ibérica
Brasão das Armas da Espanha com o símbolo de Portugal no alto (lugar de honra). Créditos: Heralder / Wikimedia Commons.

2. INIMIGAS MORTAIS: ESPANHA X HOLANDA

Portugueses e holandeses eram parceiros comerciais, mas, com a União Ibérica, os portugueses tiveram a maldita “herança” de assumir tacitamente os inimigos dos espanhóis.

Enquanto isso gerava desconforto para Portugal, sugia uma oportunidade para os holandeses que se propuseram a desafiar e enfraquecer a Espanha, assim como obter os grandes mercados de matéria-prima.

A Holanda, mesmo tendo largado tardiamente na corrida mercantilista, possuía uma potente economia já habituada ao comércio marítimo e às armas, visto que acabara de conquistar sua independência contra a Espanha.

Desta forma, o projeto de invasão do Brasil foi executado e, após alguns insucessos iniciais, logrou êxito com a criação de uma companhia especialmente voltada para o Atlântico.

revolta holandesa contra a espanha e as invasões holandesas no brasil
Os holandeses travaram a chamada Guerra dos 80 Anos, também conhecida como Revolta Holandesa, contra a Espanha a fim de conquistar a sua definitiva independência. Créditos: Diego Velázquez , Museu do Prado, Espanha.

3. CRIAÇÃO DA COMPANHIA HOLANDESA DAS ÍNDIAS OCIDENTAIS

A Holanda possuía a lucrativa Companhia Holandesa das Índias Orientais e isso acabou por influenciar na criação de outra companhia, desta vez voltada para o Ocidente.

Para o Atlântico, criou-se em 1621 a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, que acabaria por invadir com sucesso a rica e próspera capitania de Pernambuco.

Anteriormente às investidas ao litoral brasileiro, os neerlandeses (holandeses) saquearam diversos pontos comerciais portugueses na Costa Africana, de modo a também controlar parte do tráfico negreiro transatlântico.

invasões holandesas território das companhias das índias
Em verde escuro, os territórios controlados pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e em verde claro os territórios das Companhia Holandesa das Índias Orientais. Reprodução imprecisa, mas que dá para ter uma ideia da dimensão das companhias holandesas. Créditos: autoria desconhecida / Wikimedia Commons.

3.1 Primeiras invasões holandesas: Bahia, sede do Governo-Geral

Entre os anos de 1604 e 1625, houve algumas tentativas neerlandesas de invasão do Brasil Colônia, quando direcionados à sede do Governo-Geral, em Salvador.

A ideia dos invasores era simples: conquistar o Governo-Geral, estabelecido na cidade de Salvador, para a partir de lá expandir suas conquistas.

Entretanto, não lograram êxito sendo expulsos pelas forças espanholas e portuguesas, mesmo com uma das investidas tendo capturado a cidade de Salvador pelo período de um ano.

3.2 Conquista de Pernambuco pelos holandeses

Em 1630, reorganizados e melhor preparados, os holandeses executaram mais um dos seus planos de invasão do Brasil, quando assaltaram a próspera capitania de Pernambuco.

Dessa vez, os holandeses obtiveram êxito na sua invasão e pouco a pouco foram consolidando seu poder, que se estenderia por quase todo o Nordeste.

A Paraíba e o Rio Grande do Norte foram dominados em 1634, logo em seguida sendo a vez do Ceará e Maranhão, tendo como guia o experiente Domingos Fernandes Calabar.

Assim, os holandeses haviam fincado suas bandeiras em terras ameríndias, tendo como principal reduto a cidade de Recife, uma vez que Olinda, o centro urbano brasileiro mais rico da época, havia sido incendiado nas lutas.

Outro fator que pesou para a instalação dos holandeses na cidade de Recife foi a junção de rios, mangues e litoral, algo bem comum aos holandeses que eram especialistas (viviam) nesses ambientes.

invasões holandesas mapa holandês comemorando a conquista de pernambuco
A força de invasão holandesa invadiu a capitania de Pernambuco com 65 embarcações e 7280 homens, conquistando a então capital Olinda no dia 14 de fevereiro de 1530. Créditos: Mapa holandês celebrando a conquista de Olinda e Recife, de Nicolaas Visscher.

4. ERA MAURÍCIO DE NASSAU

Em 1637, o conde alemão, João Maurício de Nassau-Siegen, desembarcou na cidade de Recife como seu governador.

Nassau, um coronel conciliador, viu os estragos realizados pela invasão e tomou como seu trabalho restaurar a cidade e fazê-la próspera.

Tentou-se, inclusive, recriar a cidade no formato típico das cidades europeias com direito a grandes obras arquitetônicas, como pontes e um palácio (onde fica o atual Palácio do Governo do Estado de Pernambuco ― o Paço das Princesas).

Por isso, Recife também é conhecida como Maurits-Stadt (Cidade Maurícia).

Com Nassau, teria ocorrido o auge do ciclo açucareiro no Brasil, também sendo responsável por diversas melhorias em diversas áreas.

Entre as medidas tomadas por Nassau, encontram-se:

  • Crédito para recuperação e compra dos engenhos de açúcar;
  • Crédito para a compra de equipamentos das “fábricas”;
  • Acabou com a fome existente, obrigando os proprietários de terras cultiváveis a cultivarem o pão da terra, a mandioca;
  • Restabeleceu o tráfico de escravos; e
  • Concedeu liberdade religiosa a todos, o que também teria contemplado os escravos.

Diversos fortes e outras construções foram construídos, como um impressionante jardim com centenas de árvores, incluindo os incríveis Baobás.

O governador ergueu palácios, um templo calvinista, e instalou o primeiro observatório (que anotou um eclipse solar em 1640); tratou do calçamento de algumas vias e do saneamento urbano.

Outra medida importante foi determinar que se cobrissem todas as ruas com areia, para que elas não encharcassem. Era preciso repetir a operação duas vezes ao dia, senão se corria o risco de pagar uma multa de seis florins.

Sob a mesma pena, ficava proibido ‘lançar lixo nas ruas’ ou jogar bagaço (de cana) nos rios e açudes, pois isso impediria a proliferação dos peixes de água doce, alimento básico das populações pobres.

Nassau ainda mandou construir três pontes, as primeiras de grandes proporções no Brasil”. (SCHWARCZ; STARLING, p. 61, 2015)

Nassau também trouxe pintores, ilustradores, botânicos, entre outros para que trabalhassem nas novas terras.

invasões holandesas ponte maurício de nassau
Entre os marcos arquitetônicos do governo de Maurício de Nassau, encontra-se a ponte Maurício de Nassau, em Recife, que liga as ilhas do Recife Antigo a de Santo Antônio. Créditos: autoria desconhecida.

4.1 Retratações do Brasil Holandês

Maurício em sua comitiva trouxe artistas que se destacariam bastante ao retratar os territórios à época, como Frans Post e Albert Eckhout.

Algumas das retratações do período holandês foram, inclusive, como presente para o rei-Sol, Luís XIV, da França.

Impressionado, o déspota francês mandou reproduzir uma série em tapeçaria para a comercialização do chamado “Novo Mundo”, que tanta curiosidade na Europa causava.

invasões holandesas paisagem de frans post
A beleza dos trópicos teria encantado Frans Post, que fez inúmeras retratações, mostrando, inclusive, festejos religiosos da população negra. Créditos: “Paisagem brasileira com uma casa em construção”, de Frans Post / Casa Maurícia (Mauritshuis), Haia, Holanda.

4.2 Demissão de Maurício de Nassau, o Brasileiro

Apesar do trabalho desenvolvido por Nassau, que agora era chamado de o Brasileiro pelos holandeses, a companhia visava a exploração mercantilista.

Assim, Nassau acabou demitido pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais no início da década de 1640, ficando por morar e gerenciar algumas coisas em Recife por mais algum tempo, quando foi obrigado a partir à Europa em 1644, melancolicamente.

Com a demissão/partida de Nassau, a Companhia passou a pressionar os senhores de engenhos a quitar suas dívidas e a produzirem mais.

Isso marca o declínio do Brasil Holandês.

Maurício de Nassau, antes de partir, teria enviado cartas a Holanda sobre uma eventual insurreição contra o domínio holandês, o que se concretizaria.

invasões holandesas estátua de maurício de nassau
Johann Moritz von Nassau-Siegen, ou somente Maurício de Nassau, deixou profundas marcas no espírito do povo pernambucano, marcas que ainda hoje caminham pelas ruas meticulosamente calculadas pelo conde alemão. Créditos: Paulo Castagna / Wikimedia Commons.

5. PORTUGAL RETOMA A SOBERANIA: FIM DA UNIÃO IBÉRICA

Em 1640, D. João IV ― João, o Restaurador ―, após uma guerra contra a Espanha, conseguiu novamente a soberania de Portugal.

Com isso, tratou-se de negociar a retomada dos territórios ocupados pelos holandeses, que se negaram os oferecimentos.

6. INSURREIÇÃO PERNAMBUCANA

Em 1444, após a saída de Nassau, o ciclo do açúcar começou a declinar e o endividamento dos senhores de engenho passou a ser avidamente cobrado pela companhia holandesa.

Em 1645 teve início a Insurreição Pernambucana que acabaria por selar o fim da era holandesa no Brasil.

Insatisfações e motins de ordem geral começaram por todos os lados, resultando no endurecimento maior das regras impostas pelos neerlandeses.

Com isso, escaramuças se tornaram inevitáveis, deixando os holandeses ― que agora também estavam em atrito com a Inglaterra ― com poucos recursos e mais reclusos aos fortes e centros urbanos mais fortificados.

6.1 As Batalhas dos Guararapes

As escaramuças evoluíram para batalhas, onde a guerrilha formada por portugueses, indígenas e africanos levou vantagem sobre o exército regular holandês.

O fim dos holandeses foi definitivamente timbrado nas duas Batalhas dos Montes Guararapes, a primeira ocorrida em 1648 e a segunda em 1649.

6.2 Nascimento do exército brasileiro

Pela união entre brancos, indígenas e africanos alforriados, costuma-se assinalar o nascimento do exército brasileiro.

Contudo, muitos dos insurgentes, como no caso de João Fernandes Vieira, teriam estado mais interessado na “quitação” de suas dívidas com a companhia holandesa.

Entre os líderes da Insurreição Pernambucana, encontram-se:

  • João Fernandes Vieira: senhor de engenho;
  • André Vidal de Negreiros: senhor de engenho;
  • Filipe Camarão: líder indígena; e
  • Henrique Dias: líder dos escravos alforriados.
batalha dos guararapes
As Batalhas dos Guararapes é, por vezes, indicada como o nascimento do exército brasileiro porque brancos, negros e indígenas lutaram contra o invasor holandês. Contudo, não seriam os portugueses também invasores das terras indígenas? Os africanos, por sua vez, também não vieram por vontade própria, mas como escravos dos europeus (portugueses e holandeses). Créditos: Victor Meirelles, Museu de Nacional Belas Artes, Rio de Janeiro, Brasil.

7. PÓS-BATALHAS DOS GUARARAPES

Mesmo com a derrota na batalha em 1649 e a fome, os holandeses permaneceram no nordeste brasileiro por anos, mostrando-se determinados.

Em 1654, entretanto, os holandeses acabaram por se retirar do nordeste brasileiro, deixando uma suspeita de novas e mais vigorosas invasões no futuro, que agora conheciam bem, tendo inclusive criado diversos mapas.

7.1 Tratado de Haia: Portugal compra a ausência holandesa no Brasil

As coisas mudaram em 6 de agosto de 1661, quando holandeses e portugueses, através do Tratado de Haia, declararam fim das hostilidades.

A Holanda se encontrava em guerra contra a Inglaterra na Segunda Guerra Anglo-Holandesa e os planos de nova invasão ao Brasil acabariam por ficar mais difíceis de ocorrer.

Contudo, em Haia, a assinatura do tratado concedeu a desejada segurança de Portugal sobre o Brasil Colônia ao passo que em contrapartida os portugueses fizeram pagamentos e concessões aos holandeses, como:

  • Pagamento de 4 a 6 toneladas de ouro à época (informações contraditórias nas pesquisas);
  • Cessão dos territórios do atual Sri Lanka e Malabar; e
  • Privilégios no comércio açucareiro com o Brasil.

Por sua vez, os holandeses, além de renunciar à sua colônia no nordeste brasileiro, também abdicou de eventuais saques ou invasões sobre a Angola (colônia portuguesa).

8. HOLANDESES NAS ANTILHAS E DECADÊNCIA DO AÇÚCAR NO BRASIL

O ciclo de açúcar no Brasil continuou em franco declínio, piorando drasticamente com o estabelecimento dos holandeses nas Antilhas.

Os holandeses, com o conhecimento aprendido e aprimorado no Brasil, montaram novas instalações açucareiras nas Antilhas, onde atualmente se encontram diversos países, como Cuba, Jamaica e Bahamas.

O valor do açúcar produzido no Brasil teria sido desvalorizado em cerca de 50%.


Se gostou, Compartilhe esse artigo em suas redes sociais!

camisetas de história vestindo história
Você conhece a loja Vestindo História? São camisetas com frases e grandes imagens históricas. Acesse já!

REFERÊNCIA(S):

BRAICK, Patrícia Ramos; MOTA, Myriam Becho. História: das cavernas ao terceiro milênio. 3ª ed. reform. e atual. São Paulo: Moderna, 2007.
FAUSTO, Boris; FAUSTO, Sérgio (colab). História do Brasil. 14ª ed. atual. e ampl., 2º reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.
MELLO, José Antônio Gonsalves de. Tempo dos Flamengos: A influência da ocupação holandesa na vida e cultura do norte do Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Top Books, 2001.
MICELI, Paulo. História Moderna. 4ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2020.
SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
SILVA, Kalina Vanderlei; SILVA, Maciel Henrique. Dicionário de conceitos históricos. 3. ed., 9ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2020.
VINCENTINO, Cláudio; DORIGO, Gianpaolo. História Geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2002.
WOOLF, Alex. Uma nova história do mundo. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda, 2014.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]

Autor: Eudes Bezerra

33 anos, pernambucano arretado, bacharel em Direito e graduando em História. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário. Gosta de ler, escrever, planejar e principalmente executar o que planeja. Na Internet, atua de despachante a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra