7 Civilizações da Antiguidade Oriental extraordinárias

Civilizações da Antiguidade Oriental
Sumérios, babilônios, persas, fenícios, hebreus, assírios e egípcios… Civilizações da Antiguidade Oriental que deram grande contribuição ao mundo ocidental. Créditos: Eudes Bezerra.

Desenvolvimento, luxo e poder… Apenas alguns dos inúmeros atributos que podem ser relacionados às civilizações da Antiguidade Oriental. Inovadores, sofisticados e lendários, civilizações como a dos egípcios, hebreus, fenícios e persas se destacaram na história e nos deixaram uma grande herança cultural.

O Oriente Próximo é a encruzilhada milenar que assinala, na Antiguidade, o encontro de diferentes povos e diversas culturas. É nesse cadinho histórico de raças e civilizações que mergulham fundo as raízes de nossa Civilização Ocidental. Aí encontramos, com efeito, senão os primeiros homens, as primeiras grandes civilizações que revelam ter o ser humano atingido um nível elevado de civilização: a vida urbana, a escrita, a organização estatal, o culto religioso altamente desenvolvido, as atividades científicas (astronomia, medicina, matemática) e artísticas, a vida econômica intensa, etc.. (GIORDANI, 1969, p. 53)

Camisetas com imagens históricas Vestindo História
www.vestindohistoria.com.br

ÍNDICE

1 O que é Antiguidade Oriental?
⠀⠀ 1.1 Antiguidade Oriental x Antiguidade Clássica
2 Crescente Fértil x Mesopotâmia
3 7 Civilizações da Antiguidade Oriental
⠀⠀ 3.1 Assírios
⠀⠀ 3.2 Persas
⠀⠀ 3.3 Sumérios
⠀⠀ 3.4 Fenícios
⠀⠀ 3.5 Babilônios
⠀⠀ 3.6 Hebreus
⠀⠀ 3.7 Egípcios
Referências

1 O QUE É ANTIGUIDADE ORIENTAL?

Antiguidade Oriental é uma das duas divisões da Idade Antiga (Oriental e Clássica), que corresponde à história dos povos a leste da Europa, tendo início a partir do Egito e Ásia Menor e abrangendo povos como os mesopotâmicos, egípcios, hebreus, fenícios e persas.

Difícil definir as fronteiras da Antiguidade Oriental, visto que não se tem consenso entre os historiadores, logo sendo em vão abordar questionamentos acerca de seus limites territoriais neste espaço.

1.1 Antiguidade Oriental x Antiguidade Clássica

Diferentemente da Antiguidade Oriental, a Antiguidade Clássica (Antiguidade Ocidental) possui limites bem definidos e conhecidos (Europa) e seus grandes representantes são os gregos e romanos.

2 CRESCENTE FÉRTIL X MESOPOTÂMIA

Um esclarecimento oportuno sobre este tema recai sobre o que é Crescente Fértil e Mesopotâmia. Ambas as regiões se situam dentro da Antiguidade Oriental e são importantes para o melhor entendimento da Antiguidade estudada.

Sobre a diferença entre as duas basta entender que o espaço ocupado pela Mesopotâmia se encontra dentro do Crescente Fértil. O território chamado de Crescente Fértil vai do Egito ao Golfo Pérsico, ocupando grande parte do Oriente Médio.

Em suma, a Mesopotâmia está dentro do Crescente Fértil que por sua vez está dentro da Antiguidade Oriental.

crescente fértil e mesopotâmia
Diferentemente do imaginado, Mesopotâmia e Crescente Fértil não são a mesma coisa. O Crescente Fértil é uma ampla região que, dentro de si, contém a própria Mesopotâmia, sendo esta apenas uma parte daquela rica região. Créditos: autoria desconhecida.

3 7 CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL

3.1 Assírios

Notórios por sua ferocidade em combate, os Assírios viviam sob um forte regime centralizado e desenvolveram poderosos instrumentos em suas forjas. Sua metalurgia desenvolvida favoreceu a criação de armas e utensílios de cultivo de alta qualidade.

As inovações dessa sociedade mesopotâmica no campo de batalha fizeram sua fama, porém, diferentemente do imaginado, os assírios viviam mais da agricultura do que da guerra, como todas as chamadas sociedades hidráulicas.

Lamassus divindade dos Assírios
Lamassus, divindade protetora dos Assírios que é representada com uma cabeça humana, corpo de touro ou leão e asas. Créditos: Museu do Louvre, Paris, França.

3.2 Persas

Estabelecidos no atual Irã, os persas forjaram a primeira superpotência da história, conseguindo dominar praticamente todos os povos do Crescente Fértil. Sua divisão administrativa (satrápias), boas estradas e forte comércio terrestre fizeram desta nação rica.

Com particularidades revolucionárias para a época, os persas conseguiram manter um vasto império com tolerância política e religiosa, ainda que formassem uma poderosa sociedade guerreira.

O criador do Império da Pérsia, Ciro, o Grande, foi o responsável pela libertação dos Hebreus do Cativeiro da Babilônia.

3.3 Sumérios

Comumente referidos como os mais antigos dos povos da Mesopotâmia, sobre os sumérios recai particularidades como a invenção da escrita (cuneiforme) e a invenção da roda, sendo estas duas invenções criadas em virtude do forte comércio existente na Suméria.

Os sumérios se destacavam fortemente pelo caráter religioso, onde expressavam seus rituais em templos chamados de zigurates, tendo o Zigurate de Ur sido o principal de sua cultura. O Zigurate da cidade Ur, inclusive, teria inspirado a bíblica Torre de Babel.

Zigurate de Ur da Antiguidade Oriental
O Zigurate de Ur da antiga Suméria, hoje Iraque. Acredita-se que a bíblica Torre de Babel era, no caso, um imenso zigurate. Créditos: autoria desconhecida.

3.4 Fenícios

Estabelecidos nos atuais estados de Israel, Líbano e Síria, os fenícios (ou cananeus) entraram para a história como os mestres dos mares da Antiguidade por seu notável desenvolvimento no comércio marítimo e pela criação do primeiro alfabeto fonético.

A sociedade fenícia também se destacava das demais da Antiguidade Oriental por sua flexibilidade social, onde era possível subir e descer na hierarquia social.

Outro fato interessante é o de entre as cidades comerciais fundadas pelos fenícios se encontrar a poderosa Cartago, a cidade natal do aniquilador de romanos, Aníbal Barca.

3.5 Babilônios

Socialmente bem organizados de acordo com as suas leis, os babilônicos viviam sob um regime centralizado e teriam inventado o primeiro sistema de lei escrito, o famoso Código de Hamurabi, baseado na Lei de Talião (olho por olho, dente por dente).

Sua arquitetura se destacava amplamente pelo luxo e conforto. Aos babilônicos recai a construção dos ainda hoje em dia famosos Jardins Suspensos da Babilônia, uma das Sete Maravilhas da Antiguidade.

Portão de Ishtar da Babilônia Antiguidade Oriental
Portão de Ishtar da Babilônia restaurado. Tijolos de vidro retratando o dragão de Marduk e o touro de Adad decoram o monumental portão norte da antiga Babilônia. Créditos: Autoria desconhecida. Museu de Pérgamo, Berlim, Alemanha.

3.6 Hebreus

Estabelecidos na Palestina em 2000 a.C., os hebreus demostraram união e perseverança sem paralelos na história, sobrevivendo a inúmeras perseguições e massacres.

Profundamente marcados pela religião, eram monoteístas (possuíam apenas um Deus, Jeová) e viviam sob o Teocentrismo (Deus no centro). Aos hebreus se atribui grandemente a propagação da crença em apenas um Deus e atualmente são conhecidos como judeus.

3.7 Egípcios

Provavelmente a mais famosa civilização da Antiguidade Oriental, os egípcios se destacaram nas mais variadas áreas. Intrigantes e misteriosos, criaram a única das Sete Maravilhas do Mundo ainda em pé, a Pirâmide de Queóps, no Cairo, Egito.

Abençoado pelo rio Nilo, o Egito Antigo era dono uma produção gigantesca de grãos. Também fazia um baixíssimo uso de mão de obra escrava, assim, seus monumentos, como pirâmides, costumavam ser construídos por trabalhadores pagos.

mural egípcio da antiguidade oriental
A primeira greve registrada na história aconteceu no Egito Antigo, quando o faraó Ramsés III deu um calote nos trabalhadores e por pouco não ficou sem sua pirâmide. A situação foi resolvida após dois meses de disputas trabalhistas. Créditos: autoria desconhecida.

E aí, gostou da matéria? Fale-nos um pouco sobre o que achou nos comentários e nos ajude a melhorar o conteúdo!


REFERÊNCIA(S):

BRAICK, Patrícia Ramos; MOTA, Myriam Becho. História: das cavernas ao terceiro milênio. 3ª ed. reform. e atual. São Paulo: Moderna, 2007.
GIORDANI, Mário Curtis. História da Antiguidade Oriental. 13 ed. Petrópolis: Vozes, 1969.
TODA MATÉRIA. Antiguidade. Acesso em: 18 jun. 2018.
VINCENTINO, Cláudio; DORIGO, Gianpaolo. História Geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2002.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]
Autor: Eudes Bezerra

30 anos, pernambucano arretado e graduado em Direito. Diligencia pesquisas sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar. Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top