5 Fatos sobre a Primeira Guerra Mundial (1914-1918)

Fatos sobre a Primeira Guerra Mundial - cavaleiro alemão armado com lança e máscara de gás
5 fatos sobre a Primeira Guerra Mundial que geralmente são superficialmente conhecidos, mas aqui trago breves números e imagens. Créditos: autoria desconhecida / Montagem: Eudes Bezerra.

Neste simples artigo descrevo um pouco sobre 5 fatos sobre a Primeira Guerra Mundial que geralmente são conhecidos, mas com uma breve reflexão e o precioso recurso de imagens.

Boa leitura!

TÓPICOS SOBRE 5 FATOS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

#1 Fatos sobre a Primeira Guerra Mundial: Por que mundial?
#2 Fatos sobre a Primeira Guerra Mundial: O drama dos civis
#3 Fatos sobre a Primeira Guerra Mundial: Guerra em larga produção industrial
#4 Fatos sobre a Primeira Guerra Mundial: Guerra de inovação
#5 Fatos sobre a Primeira Guerra Mundial: Guerra de destruição
Referências

Sistema de trincheiras e crateras da Primeira Guerra Mundial
Ainda hoje é possível ver e caminhar sobre o esquema de trincheiras e as crateras de bombardeios da Primeira Guerra Mundial. Créditos: Michael St. Maur Sheil.


#1 FATOS SOBRE A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL: POR QUE MUNDIAL?

Dezenas de nações declararam guerra entre os anos de 1914 e 1918, muitas das quais eram grandes potências neocolonialistas e arregimentaram soldados e suprimentos de diversas partes do planeta.

De um lado esteve a chamada Tríplice Aliada, as chamadas Potências Centrais, formada originalmente pelo império alemão, o império austro-húngaro e a Itália.

Posteriormente, o império otomano entrou na aliança e a Itália mudou de lado sorrateiramente (para a Tríplice Entente).

Do outro lado, tínhamos a Tríplice Entente — não confunda com os Aliados, que isso aconteceu só na Segunda Guerra Mundial.

Originalmente, era composta pela República da França, o império da Rússia e a Grã-Bretanha. Posteriormente a Itália, os Estados Unidos da América e o Japão.

Ao lado de cada lado, dezenas de outras nações, como a Bulgária ao lado das Potências Centrais (Tríplice Aliada) e a Sérvia ao lado da Tríplice Entente.

De modo avassalador, o maior bloco foi a Tríplice Entente que possuía dezenas de países direta ou indiretamente envolvidas na guerra, incluindo o Brasil.

A guerra começou na sérvia, contudo, alianças e pactos secretos foram sugando países ao conflito de modo que a entrada das grandes potências coloniais, como a Inglaterra e a França, arrebatou os esforços de dezenas de outras nações-colônias.

O que começou como um conflito relativamente pequeno no sudeste da Europa tornou-se uma guerra entre impérios europeus.

Ocorreram combates em diversos cantos do globo, incluindo nos mares da América Latina, na África e Ásia.

Mapa territorial das Potências Centrais e da Tríplice Entente
Os blocos antagônicos originais da Primeira Guerra Mundial (antes da Itália firmar um pacto secreto com a França). Créditos: autoria desconhecida / Wikimedia Commons.

 

#2 FATOS SOBRE A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL: O DRAMA DOS CIVIS

A Primeira Guerra Mundial é o fruto final de décadas de disputas políticas nas quais, secretamente ou não, as nações se armaram sempre desenvolvendo novas e mais mortíferas armas de guerra.

Contudo, muito antes da guerra estourar, as campanhas publicitárias dos Estados costumavam mostrar os supostos adversários como verdadeiros monstros — e isso impactaria destrutivamente na vida civil.

Entre os tantos motivos disso, tem-se a obtenção de grande apoio popular para as políticas bélicas que somavam um investimento financeiro gigantesco (e sem paralelo na história até então).

Milhões de homens — dezenas de milhões — foram incorporados às forças armadas de modo voluntário ou através do recrutamento obrigatório.

Outros tantos milhões de civis acabaram por contribuir para o esforço de guerra, trabalhando na indústria, na agricultura ou em empregos deixados em aberto quando os homens se alistaram (com destaque para as mulheres).

A manutenção do conflito e a eventual vitória na guerra dependiam do apoio popular e a falta de apoio gerava motins que poderiam tirar as nações do conflito, como ocorreu no caso do Império da Rússia em 1917 após sofrer inúmeras e devastadores derrotas contras os alemães, enquanto o povo passava fome.

Por fim, a devastação do conflito que chegou às zonas civis foi brutal: as propagandas dos Estados contribuíram decisivamente para uma infinidade de massacres e crimes de guerra contra inocentes.

Ataques a civis eram cada vez mais comuns à medida que cada nação tentava quebrar o moral doméstico de seus oponentes e diminuir o apoio popular à guerra.

Propaganda pejorativa contra os alemães na Primeira Guerra Mundial
A propaganda demonizou nações inteiras e atacou os ‘personagens nacionais’ dos povos inimigos. Neste cartaz, imperador alemão Guilherme II é retratado como um devastador tal como os hunos de Átila durante a Roma Antiga. Créditos: autoria desconhecida.


#3 FATOS SOBRE A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL: GUERRA EM LARGA PRODUÇÃO INDUSTRIAL

A guerra consumiu cifras financeiras astronômicas antes mesmo do seu início e muito mais enquanto o conflito se arrastava.

Praticamente todos os países envolvidos dedicaram os seus recursos à guerra que se arrastava e não parecia próxima do fim.

Logo ficou evidente que a produção bélica do jeito que estava sendo realizada era insuficiente para suprir as tropas na guerra e o Estado assumiu totalmente as rédeas da produção nacional.

Da mesma forma que era necessária engrossar as fileiras com tropas, fazia-se muito mais importante montar e manter uma longa linha de suprimentos para que os soldados combatessem com chances de vitória.

A título de exemplo, temos o caso da Grã-Bretanha que controlou e ampliou absurdamente a sua capacidade de entregar os itens necessários à Força Expedicionária Britânica (FEB).

Somente em 1918, o controle do Estado britânico ajudou na produção de quase 4 milhões de rifles, 250.000 metralhadoras, 52.000 aviões, 2.800 tanques, 25.000 peças de artilharia e mais de 170 milhões de cartuchos de artilharia.

Inúmeros cartuchos de artilharia deflagrados durante a Grande Guerra
Cartuchos de artilharia deflagrados. Poucas pessoas, ou mesmo ninguém, têm noção da quantidade de insumos que são necessários para conduzir uma guerra em uma escala assustadoramente grande. Créditos: autoria desconhecida / Biblioteca Nacional da Escócia.


#4 FATOS SOBRE A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL: GUERRA DE INOVAÇÃO

As inovações militares na Primeira Guerra Mundial foram inúmeras e por isso a necessidade de uma produção tão massiva para equipar, modernizar e manter as tropas em batalha.

Das últimas décadas do século XIX até o início da Grande Guerra, em 1914, essa época — Belle Époque — ficou marcada por sucessivas ondas de evolução tecnológica, fossem para balas fossem para curativos.

Durante o conflito em si, uma onda de inovação descomunal estava sempre alterando a forma de se lutar, não antes sem tantos testes de possíveis empregos contra o adversário.

Cada avanço científico revelava uma possível vantagem a mais sobre as forças adversárias, o que levou a uma oficina de inúmeras criações e aperfeiçoamentos, como o tanque de guerra e as incrivelmente mortais e traiçoeiras armas químicas.

Ainda, o avião, inicialmente mais destinado a missões de reconhecimento no início da guerra, logo teria passado a ter os seus primeiros bombardeiros para missões de bombardeio estratégico.

Da mesma forma, os caças evoluíram e lançaram os cavaleiros de outrora aos céus com destaque para o Às dos Ases, Manfred von Richthofen, o Barão Vermelho.

Caso se interesse, temos uma lista de 7 armas icônicas da Primeira Guerra Mundial.

Cavaleiro alemão armado com lança e rifle e protegido por máscara de gás
Sem dúvida a indústria pesada trabalhou sem parar durante a guerra. Contudo, animais como cavalos, pombos, falcões e cães também participaram do conflito com números elevadíssimos de mortes. Créditos: autoria desconhecida / Getty Images.
Corpo militar formado por camelos do Império Otomano durante a Primeira Guerra Mundial
Corpo de camelo otomano em Beersheba durante a primeira ofensiva de Suez da Primeira Guerra Mundial, 1915. Créditos: autoria desconhecida / Biblioteca do Congresso Americano.


#5 FATOS SOBRE A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL: GUERRA DE DESTRUIÇÃO

A Primeira Guerra Mundial consumiu a vida de cerca de 10 milhões de soldados nos combates e outros 7 milhões de civis.

O número de soldados feridos, mutilados e desaparecidos fica por volta do triplo, ou seja, 30 milhões.

A guerra também alterou para sempre a paisagem social e política do mundo, arrasando cidades, vilas, campos e removendo até cadeias de montanhas.

Acelerou as mudanças nas atitudes em relação ao gênero e à classe social, também levando ao colapso dos impérios da Alemanha, Rússia, Áustria e Hungria e Otomano.

O custo da guerra total — e da reconstrução posterior que durou mais de uma década — devastou as economias nacionais de vitoriosos e derrotados envolvidos diretamente no conflito.

O custo humano da Primeira Guerra Mundial para a Grã-Bretanha viu a criação de uma memória amarga que permanece até hoje.

inúmeros memoriais da guerra em cidades, vilas, escolas e até em locais de culto e trabalho, bem como em rituais comemorados anualmente.

Cratera gigante causada por minas durante a Primeira Guerra Mundial
Cratera de Lochnagar, Somme, França. Bem preservada, percebe-se o gigantesco poder de destruição causado por uma das minas terrestres. Créditos: Michael St. Maur Sheil.
5 Fatos da Primeira Guerra Mundial
Floresta de Belleau, França. Onde antes se impunha uma gigantesca floresta, hoje restam campos de colheitas. Créditos: Michael St. Maur Sheil.
Crateras da floresta de Butte de Vaquois, França
Butte de Vaquois, França. A guerra fez a vila e, de modo incrível, parte do morro sumirem. O solo da localidade é caracterizado por gigantescas crateras que parecem insistir, mesmo com quase 100 anos de abertas. Créditos: Michael St. Maur Sheil.

REFERÊNCIAS

GILBERT, Adrian. Enciclopédia das Guerras: Conflitos Mundiais Através do Tempo. trad. Roger dos Santos. São Paulo: M. Books, 2005.

MAGNOLI, Demétrio; BARBOSA, Elaine Senise. Liberdade versus igualdade: O mundo em desordem (1914-1945). Rio de Janeiro: Record, 2011.

SHEFFIELD, Garry. As origens da Primeira Guerra: impérios a caminho do conflito. In.: Coleção As grandes guerras mundiais. trad. Rosemaire Ziegerlmaier. São Paulo: Folha de São Paulo, 1, 2014.

WILLMOTT, H. P.. Primeira Guerra Mundial. trad. Cecília Bartalotti, Myriam Campello, Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]

PALAVRAS-CHAVE SECUNDÁRIAS: primeira guerra mundial, grande guerra, tríplice entente, tríplice aliada, potências centrais, batalha do rio somme, ofensiva do somme, batalha de verdun, batalhas.

Autor: Eudes Bezerra

33 anos, pernambucano arretado, bacharel em Direito e graduando em História. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário. Gosta de ler, escrever, planejar e principalmente executar o que planeja. Na Internet, atua de despachante a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra