Zigurate, história e o que eram os zigurates

zigurate de ur-nammu
O zigurate de Ur é uma construção de origem suméria, sendo uma combinação de templo e moradia divida com observatório de astronomia. Créditos: Josh McFall, 26.07.2005 / Montagem: Eudes Bezerra.

Tão antigos quanto às pirâmides do Egito, os zigurates são construções intrigantes e que por vezes geram misticismo, sendo inclusive associados à existência da bíblica Torre de Babel, que seria um grandioso zigurate (mas inexiste comprovação científica).

Nas cidades mesopotâmicas, as construções mais importantes eram as ligadas às grandes instituições, ao templo e ao rei.

Sendo a moradia da divindade tutelar da cidade, o templo era o símbolo central do bem-estar local e, em geral, a estrutura mais alta.

Os reis reformavam e reconstruíam os templos dos centros religiosos importantes como sinal da aprovação divina. (RATHBONE, 2011, p. 118)

Boa leitura!

TÓPICOS SOBRE O ZIGURATE

1. O que é zigurate ou o que eram os zigurates?
2. O primeiro zigurate, o Zigurate de Ur
3. Zigurates X Pirâmides
4. Como era feito o zigurate
Referências

1. O QUE É ZIGURATE OU O QUE ERAM OS ZIGURATES?

O zigurate é um templo religioso e observatório astronômico que as sociedades da Mesopotâmia construíram, sendo o mais famoso o de Ur, no atual Iraque.

Em suma, os zigurates eram templos destinados à adoração dos deuses, o que refletia bastante a devoção religiosa das sociedades que criaram e reproduziram diversos tamanhos dessa imponente construção.

Fizeram tanto sucesso que acabaram se espalhando além da Mesopotâmia, como no Irã que veremos um zigurate bem famoso e ainda existente por lá.

2. O PRIMEIRO ZIGURATE, O ZIGURATE DE UR

O primeiro zigurate conhecido foi edificado na cidade de Ur, durante o reinado de Ur-Nammu, ao final do terceiro milênio a.C..

Ur era o centro do culto ao deus da Lua, Sin (ou Nanna), e o zigurate fazia parte do complexo religioso, cercado por uma muralha, que abrangia o armazém do templo, a residência da alta sacerdotisa e um palácio real.

Havia também uma cozinha para o preparo de refeições do deus. O padrão do tempo se repetiu mais tarde em outras cidades, talvez para que as construções monumentais pudessem ser vistas com mais destaque.

O Zigurate de Ur foi posteriormente restaurado pelos reis neobabilônicos, cientes de sua responsabilidade para com os centros religiosos antigos da Suméria — os babilônios eram grandes engenheiros e arquitetos, além de compiladores de tecnologias estrangeiras.

zigurate de Ur dos sumérios
O zigurate de Ur (Templo da Lua), Iraque. Essa construção foi a primeira do tipo a ser descoberta e teria sido erguida entre 2113 e 2096 a.C. por ordem do rei sumério Ur-Nammu. Detêm 21 metros de altura por 62,5 x 43 metros em suas bases. Créditos: Josh McFall, 26.07.2005.
escadaria do zigurate de ur no Iraque
Escadaria do Zigurate de Ur, Iraque. Créditos: Newhouse, E. L., ed., The Builders, The National Geographic Society, Washington, D.C., 1992.

3. ZIGURATES X PIRÂMIDES

Apesar da proximidade e semelhança com as pirâmides do Egito Antigo, eram construções com estrutura interna e finalidade bem distinta.

As pirâmides egípcias são estruturas complexas com a destinação mortuária do representante dos deuses na terra, o faraó, sendo a maior delas a pirâmide de Queóps, localizada no Complexo de Gizé com a sua imensa esfinge.

Os zigurates, por sua vez, não possuíam destinação mortuária nem a vaidade do poderio faraônico, sendo templos religiosos destinados à moradia dos deuses e à observação dos astros.

Ainda, as cidades costumavam crescer ao redor desses templos-cidades, irradiando, assim, a fervorosa religiosidade do seu povo.

A título de curiosidade: os sumérios teriam descoberto cinco planetas!

4. COMO ERA FEITO O ZIGURATE

Típicos templos da antiga Mesopotâmia, sua origem é apontada como vinda dos misteriosos e incríveis sumérios e logo teria se alastrado aos demais povos da região, sendo erguidos às dezenas entre 2200 e 500 a.C..

As construções eram feitas com tijolos queimados através da sobreposição de plataformas, que contavam com escadarias circundando a estrutura.

Atualmente, ao menos vinte construções do tipo resistem ao tempo e a maior delas se encontra em Chogha Zanbil, no Irã, onde impõe dimensões 24 metros de altura por 100 metros de base.

Zigurate de Chogha Zanbil
Chogha Zanbil Zigurate, Irã. Créditos: Mobina Ganbaryan.
Reprodução em maquete do zigurate de Chogha Zanbil
Reprodução em maquete do zigurate de Chogha Zanbil. Créditos: Jona Lendering.

REFERÊNCIAS:

BEZERRA, Eudes de O. Sumérios: História, características e invenções (resumo). Acesso em: 25 maio, 2022.

CLINE, Eric H.; GRAHAM, Mark W.. Impérios antigos: da Mesopotâmia à Origem do Islã. trad. Getulio Schanoski Jr.. São Paulo: Madras, 2012.

COLE, Emily. História ilustrada da arquitetura: Um estudo das edificações, desde o Egito até o século XIX, passando por estilos, características e traços artísticos de cada período. trad. Livia Chede Almendary. São Paulo: Publifolha, 2011.

GIORDANI, Mário Curtis. História da Antiguidade Oriental. 13 ed. Petrópolis: Vozes, 1969.

LENDERING, Jona. Ziggurat. Disponível em: << http://www.livius.org/za-zn/ziggurat/ziggurat.html >>. Acesso em: 25 maio, 2022. Link não mais disponível.

Museu Britânico. Ziggurats. Acesso em: 25 maio, 2022.

RATHBONE, Dominic. História ilustrada do mundo antigo: Um estudo das civilizações da Antiguidade, do Egito dos faraós ao Império Romano, passando por povos das Américas, da África e da Ásia. trad. Clara Allain. São Paulo: Publifolha, 2011.

IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]

PALAVRAS-CHAVE SECUNDÁRIAS: sociedades hidráulicas, pirâmides, zigurate, zigurates, torre de babel, mesopotâmia, antiguidade oriental, sumérios, egípcios, egito antigo, arquitetura suméria, religião suméria.

Autor: Eudes Bezerra

33 anos, pernambucano arretado, bacharel em Direito e graduando em História. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário. Gosta de ler, escrever, planejar e principalmente executar o que planeja. Na Internet, atua de despachante a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra