Causas e contexto histórico da Primeira Cruzada

contexto histórico da primeira cruzada
As causas e o contexto histórico da Primeira Cruzada têm fatores, como o religioso e o comercial, e se inicia com o papa Urbano II em Clermont. Créditos: Frederic Schopin / Palácio de Versalhes, França.

O contexto histórico da Primeira Cruzada recai sobre a decadência bizantina que não mais conseguia se proteger, assim como resguardar as peregrinações cristãs europeias que partiam à cidade de Jerusalém.

 Ainda, fatores comerciais e problemas internos da própria Europa também alicerçaram as bases do contexto histórico da Primeira Cruzada.

Em resposta ao apelo do [papa] Urbano, talvez umas 100 mil pessoas de toda a Europa tenham começado a rumar para o Oriente, numa onda humana motivada pela combinação de histeria religiosa, ganância por despojos e anseios de garantir a salvação — Urbano havia prometido a “imediata remissão dos pecados” a todos aqueles que morressem na Cruzada. (CUMMINS, 2012, p. 76, adaptado e grifo nosso)

Boa leitura!

TÓPICOS SOBRE CONTEXTO DA PRIMEIRA CRUZADA

Introdução às Cruzadas
1. Conquistas muçulmanas pós-Arábia islâmica
2. Batalha de Manziquerta e o declínio bizantino evidente
3. Os seljúcidas tomam Jerusalém
4. Forte sentimento religioso cristão
5. Crescimento populacional e conflitos na própria Europa
6. Fatores comerciais
7. A convocação do papa Urbano II no Concílio de Clermont
Referências

INTRODUÇÃO ÀS CRUZADAS

Antes da Primeira Cruzada, o Cristianismo e o Islamismo já se encontravam em um longo conflito, ainda que existisse relativa paz pouco antes da Primeira Cruzada.

As Cruzadas ocorreram na Península Ibérica, como na Guerra de Reconquista, e principalmente na atual Palestina.

Nosso foco será direcionado às causas que levaram às disputas no Oriente Médio.

Nos itens a seguir, abordaremos em separado o contexto histórico da Primeira Cruzada para que se tenha uma ideia melhor das causas das Cruzadas de forma geral.

1. CONQUISTAS MUÇULMANAS PÓS-ARÁBIA ISLÂMICA

Séculos antes da Primeira Cruzada, com o fim da Arábia pré-islâmica, os seguidores do Islã (muçulmanos) conquistaram de modo irrefreável uma gigantesca extensão territorial poucas vezes vista na história, ampliando sua esfera de influência, inclusive sobre regiões cristãs.

Foram conquistas em diversos continentes, incluindo o europeu — fato ocorrido no início do século VIII sob o comando do astuto Táriq e posteriormente com seus comandantes que conquistaram a Península Ibérica em quase toda a sua totalidade.

Os domínios mulçumanos também se estendiam por toda a região que os cristãos chamavam de Terra Santa, que atualmente correspondem basicamente aos Estados modernos de Israel, Líbano, Palestina e parte da Síria.

Contudo, o poderio muçulmano no século XI demonstrava declínio igualmente como o bizantino — ambos fragilizados por séculos de conflitos entre si e outros povos e impérios da região.

Esse arrefecimento levou certa calmaria às fronteiras da atual Turquia.

Causas e contexto histórico da primeira cruzada cruzadas
Diversos povos, califados e impérios se desenvolveram sob a religião islâmica, mesmo que não formassem a mesma unidade política. Isto é, a religião era o fator em comum dos exércitos muçulmanos. Créditos: Ascensão de Maomé aos céus / autoria desconhecida.

2. CONTEXTO HISTÓRICO DA PRIMEIRA CRUZADA: BATALHA DE MANZIQUERTA E O DECLÍNIO BIZANTINO EVIDENTE

O cenário de calmaria mudou drasticamente em 26 de agosto de 1071 através da Batalha de Manziquerta (ou Manzikert), quando o Império Bizantino sofreu uma derrota catastrófica contra o Império Seljúcida.

As tropas seljúcidas comandadas sultão Alp Arslan varreram o que o Império Bizantino possuía de melhor à época. Tal derrota acabou com o equilíbrio de poder na Anatólia, fazendo parte do contexto histórico da Primeira Cruzada.

O próprio imperador bizantino — Romano IV Diógenes — foi capturado pelas forças mulçumanas. Não se sabe ao certo o que aconteceu com o imperador bizantino.

O imperador Romano IV teria sido logo libertado pelos mulçumanos, mas assassinado quando retornava à cidade de Constantinopla, a capital do seu império.

Causas e contexto histórico da primeira cruzada cruzadas
A derrota das tropas de Bizâncio na Batalha de Manziquerta costuma ser apontada como um dos marcos da decadência bizantina, que já se encontrava lentamente em declínio e que desapareceria de vez em 1453. Créditos: Batalha de Mazinkert, de O Mustafin / Creative Commons.

3. CONTEXTO HISTÓRICO DA PRIMEIRA CRUZADA: OS SELJÚCIDAS TOMAM JERUSALÉM

Após a Batalha de Manziquerta, os seljúcidas conquistaram diversos territórios extremamente relevantes ao Cristianismo, incluindo a cidade de Jerusalém.

Com Império Seljúcida no controle, cristãos, judeus, bizantinos e o próprio islâmico Califado Fatímida (do Egito), viram-se diante de um adversário aparentemente invencível aquele momento.

O controle da região representava uma grande fortuna em decorrência do comércio e das peregrinações, principalmente as cristãs que eram taxadas (algo comum).

Esse controle que ameaçava as peregrinações cristãs que partiam da Europa, principalmente da porção ocidental europeia, era mal visto e acabaria por ser um forte fator de união entre a nobreza e clero.

4. CONTEXTO HISTÓRICO DA PRIMEIRA CRUZADA: FORTE SENTIMENTO RELIGIOSO CRISTÃO

Sem dúvida, um aspecto bem importante acerca do contexto histórico da Primeira Cruzada recai sobre a fé cristã.

A Idade Média ficou marcada pelo poderio da Igreja Católica que dominava praticamente todos os sentidos da população europeia, incluindo as relações privadas e íntimas.

Nesse cenário, o forte sentimento religioso cristão era comum e seria canalizado para o que ficaria conhecido como Cruzadas após o chamado do papa Urbano II.

As conquistas seljúcidas elevaram o fervor dos cristãos, principalmente após destruição parcial da Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, além das peregrinações que poderiam ser interrompidas devido ao controle muçulmano.

Causas e contexto histórico da primeira cruzada cruzadas
Basílica do Santo Sepulcro, em Jerusalém, que resguarda dentro de si o Santo Sepulcro: local onde Jesus teria sido crucificado. Créditos: Jorge Láscar / Creative Commons: https://www.flickr.com/photos/jlascar/

5. CONTEXTO HISTÓRICO DA PRIMEIRA CRUZADA: CRESCIMENTO POPULACIONAL E CONFLITOS NA PRÓPRIA EUROPA

Um fator que aparentemente não teria ligação com as Cruzadas reside no fato dos inúmeros conflitos existentes na Europa àquela época.

A população havia crescido bastante entre os séculos X e XI (entre os anos 900 e 1000) em virtude do emprego de melhores técnicas agrícolas e do próprio clima, fazendo crescer a oferta de alimentos igualmente como a população.

Contudo, diversos conflitos internos ocorriam na Europa e o papa Urbano II trouxe uma alternativa para encerrar as disputas que ocorriam sem controle, incluindo com roubos às propriedades da Igreja Católica.

Causas e contexto histórico da primeira cruzada cruzadas
O século XI marcou o início do retorno do europeu às cidades, criando o êxodo rural que ficaria conhecido como Renascimento Urbano e Comercial. Créditos: Cidade de Nuremberg, autoria desconhecida.

6. CONTEXTO HISTÓRICO DA PRIMEIRA CRUZADA: FATORES COMERCIAIS

Um dos motivos que poderiam ser amplamente aproveitados decorre da abertura de centros comerciais nas áreas conquistadas, que possuíam a chance de comercializar produtos vindos do interior dos continentes asiático e africano.

Também haveria um aquecimento na própria economia europeia visto que guerras demandam uma série de preparativos e exigem rotas de suprimentos.

A emergente classe burguesa auxiliou bastante nessas questões com a possibilidade de enriquecimento com os novos mercados.

Ainda, as massas mais pobres poderiam vir a adquirir riquezas oriundas de saques e pilhagens, os famosos espólios de guerra.

7. A CONVOCAÇÃO DO PAPA URBANO II NO O CONCÍLIO DE CLERMONT

Em 27 de novembro de 1095, no Concílio de Clermont, na França, o papa Urbano II fez um eloquente discurso que acabou por incentivar cristãos, sobretudo a nobreza, a marchar contra os muçulmanos em busca da conquista da cidade sagrada de Jerusalém.

Com isso, em vez de se despedaçarem na própria Europa, os cavaleiros medievais iriam se unir em busca do mesmo objetivo:

  • Remissão dos pecados;
  • Reabrir as rotas de peregrinação;
  • Estabelecer reinos;
  • Lucrar com o comércio; e
  • Gerar riqueza através de espólios de guerra.
causas da Primeira Cruzada
O termo Cruzadas não existia à época sendo uma criação dos últimos séculos. O próprio papa Urbano II não imaginou que tantos cristãos participariam dos acontecimentos que viriam a seguir após o seu discurso em Clermont. Créditos: Francesco Hayez.

REFERÊNCIAS:

CUMMINS, Joseph. As Maiores Guerras da História. trad. Vania Cury. Rio de Janeiro: Ediouro, 2012.

FERNANDES, Fátima Regina. Cruzadas na Idade Média. In. MAGNOLI, Demétrio (org.). História das Guerras. 5 ed. São Paulo: Contexto, 2011.

JESTICE, Phyllis G. História das Guerras e Batalhas Medievais. O Desenvolvimento de Técnicas, Armas, Exército e Invenções de Guerra na Idade Média. trad. Milton Mira de Assumpção Filho. São Paulo: M. Books, 2012.

SILVA, Daniel Neves. Primeira Cruzada. Acesso em: 1º mar. 2022.

WATERSON, James. Espadas Sacras: Jihad na Terra Santa, 1097-1291. trad. Giancarlos Soares Ferreira. São Paulo: Madras, 2012.

IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]

PALAVRAS-CHAVE SECUNDÁRIAS: cruzadas, primeira cruzada, contexto histórico da Primeira Cruzada, papa Urbano II, Concílio de Clermont, Terra Santa, Jerusalém, seljúcidas, guerra santa, Cristianismo, Islamismo.

Autor: Eudes Bezerra

33 anos, pernambucano arretado, bacharel em Direito e graduando em História. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário. Gosta de ler, escrever, planejar e principalmente executar o que planeja. Na Internet, atua de despachante a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra