Fotos de guerras: curiosidades e histórias da guerra!

Fotos de guerras
Fotos de guerras das mais variadas perturbações e conflitos criados ou continuados pelo ser humano. Créditos: O Canhão do Czar / Autoria desconhecida.

Diz-se que a guerra é a segunda maior ocupação do ser humano. Verdade ou não, a guerra sempre se fez, infelizmente.

Praticamente impossível não abrir um livro de história sem verificar ao menos um conflito, seja político seja bélico.

Como o influente teórico alemão, Carl Von Clausewitz, bem sintetizou no seu manual militar chamado Vom Kriege (Da Guerra): “a guerra é a extensão da política, sendo que por outros meios“.

Além disso, fotos de guerras, assim como pinturas e vídeos, têm o poder de nos conectar com passado muitas vezes imensamente distante do nosso atual ciclo na Terra.

Essa matéria, cuja atualização será constante, procurará trazer imagens de conflitos simples ou mesmo brutais, mas com bom senso (não vamos mostrar mutilações nem afins).

Compre na Amazon e contribua com o Incrível História!
Nas referências, os livros utilizados para a composição desta matéria estarão linkados (sempre que possível) para o site da Amazon, onde você geralmente encontra livros mais baratos! Recebemos uma pequena comissão pela venda indicada. Assim, sem pagar nada a mais, você nos ajuda e adquire um livro de qualidade em uma plataforma segura.

Boa leitura!

SUMÁRIO

#1 O gigantesco Canhão do Czar Feodor Ivanovich I
#2 As invencíveis falanges macedônicas com Alexandre, o Grande!
#3 Mazinkert: declínio bizantino, ascensão turca!

FOTOS DE GUERRAS #1: O GIGANTESCO CANHÃO DO CZAR FEODOR IVANOVICH I!

Canhão do Czar Feodor Ivanovich I
O Canhão do Czar Feodor Ivanovich I. Créditos: O Canhão do Czar / Autoria desconhecida.

Com quase quarenta toneladas, medindo mais de cinco metros de comprimento e com um impressionante calibre de 890 mm, o Canhão do Czar é uma demonstração de força da Rússia czarina.

Seu imenso calibre é o suficiente para ser considerado o maior do planeta e é possível encontrá-lo (e se espantar com o tamanho da boca do canhão) na frente do Kremlin em Moscou.

Apesar das dimensões, o grande canhão é algo meramente simbólico e parece nunca ter sido utilizado, embora se especule um único disparo em data desconhecida.

A artilharia teria sido fabricada no ano de 1586 por Andrei Chokhov, um renomado armeiro russo, que o fez em virtude de um pedido do czar Feodor Ivanovich I.

A base do canhão seria originalmente feita de madeira, mas foi incendiada durante a invasão de Napoleão à Rússia em 1812. A nova base feita de metal e as balas de canhão só foram fabricadas em 1835.

Os russos aloprando nos armamentos, como sempre…

REFERÊNCIA PRINCIPAL:
DARÓZ, Carlos Alberto C.. Armas – o gigantesco canhão do czar. Acesso em: 31 dez. 2014.

FOTOS DE GUERRAS #2: A FALANGE MACEDÔNIA DE ALEXANDRE, O GRANDE

fotos de guerras falange macedônica
A falange macedônica formava um imenso ouriço capaz de vencer qualquer adversário à sua frente. Créditos: autoria desconhecida.

Você sabia que as falanges de Alexandre, o Grande, nunca perderam uma batalha sob seu comando?

Pois é, na vanguarda das tropas do jovem que assumiu o poder aos 20 anos incompletos e conquistou dos seus soldados e do mundo conhecido até então antes mesmo de completar os 33 anos de idade, lutou a revolucionária unidade militar que nunca conheceu a derrota quando comandada por Alexandre: as Falanges Macedônicas!

Entretanto, cabe ressaltar que a criação do poderoso e bem organizado exército da Macedônia é fruto da mente engenhosa do pai de Alexandre, o rei Filipe II.

Mas, claro, quem conhece as incríveis façanhas de Alexandre sabe que o seu comando era absurdamente ousado e implacável, usando táticas tidas como suicidas por seus próprios generais e soldados.

Pela ousadia e capacidade de ver organizadamente a aparente desorganização dos combates, Alexandre se tornou provavelmente a grande referência em milênios de líderes do porvir e é o segundo maior conquistador de da história!

REFERÊNCIAS:
Referências no próprio corpo da matéria – links para nossas matérias completas, tanto a super biografia de Alexandre quanto a das falanges da Macedônia!

FOTOS DE GUERRAS #3: MAZINKERT: DECLÍNIO BIZANTINO, ASCENSÃO TURCO!

fotos de guerras a batalha de Mazinkert
Ruína bizantina na Batalha de Mazinkert. Créditos: Batalha de Mazinkert, de O Mustafin / Creative Commons.

Em 26 de agosto de 1071, na atual Armênia, um poderoso exército bizantino encontrou seu fim ao disputar a decisiva Batalha de Manzikert (ou Manziquerta) contra os turcos seljúcidas liderados pelo sultão Alp Arslan.

Alp Arslan triunfou empregando a tradicional técnica dos arqueiros montados das estepes asiáticas (técnica bem comum nas estepes asiáticas, como a empregada pela horda mongol de Gêngis Khan).

O resultado do confronto foi de grande relevância e “formalizou” o declínio militar do herdeiro oriental do antigo Império Romano, Bizâncio, que também lamentou ter sua autoridade minada perante vizinhos perigosos e viu o próprio imperador — Romano IV Diógenes — tornar-se prisioneiro de guerra.

Diógenes logo foi liberto, mas teria sido assassinado quando regressava à capital do império (algumas referências afirmam que o imperador teria sido cegado e exilado durante seu retorno).

Após o vexame na Batalha de Manzikert, o Império Bizantino buscaria a todo custo recorrer a seus antigos aliados na Europa Ocidental, o que ensejaria o Concílio de Clermont e a grande convocação para a Primeira Cruzada, onde cristãos e muçulmanos guerreariam por séculos pelo domínio da Terra Santa, Jerusalém e adjacências.

A Primeira Cruzada gerou a chamada Cruzada dos Mendigos, que se revelou um completo desastre.

REFERÊNCIAS:
FERNANDES, Fátima Regina. Cruzadas na Idade Média. In. MAGNOLI, Demétrio (org.). História das Guerras. 5 ed. São Paulo: Contexto, 2011.
JESTICE, Phyllis G. História das Guerras e Batalhas Medievais. O Desenvolvimento de Técnicas, Armas, Exército e Invenções de Guerra na Idade Média. trad. Milton Mira de Assumpção Filho. São Paulo: M. Books, 2012.
WATERSON, James. Espadas Sacras: Jihad na Terra Santa, 1097-1291. trad. Giancarlos Soares Ferreira. São Paulo: Madras, 2012.

Próxima atualização: outubro de 2020.

Autor: Eudes Bezerra

33 anos, pernambucano arretado, bacharel em Direito e graduando em História. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário (além de tudo que consta no site). Gosta de ler, escrever e planejar. Na Internet, atua de capacho a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top