Guerra do Peloponeso (Resumo)

guerra do peloponeso
A Guerra do Peloponeso e as disputas entre Esparta e Atenas. Esparta venceu o conflito, contudo, toda a Grécia estava enfraquecida. Créditos: autoria desconhecida / Montagem: Eudes Bezerra.

 A longa Guerra do Peloponeso ficou marcada pelas disputas entre Esparta e Atenas, tornando Esparta vitoriosa, mas deixando toda a Grécia enfraquecida. Com a Grécia enfraquecida, A Macedônia de Filipe II e Alexandre, o Grande, conquistaram-na.

Não obstante o sucesso dos gregos em resistir ao império persa, a política e as táticas bélicas gregas haviam mudado profundamente.

Atenas emergiu das guerras como o principal Estado grego, e estabeleceu um grande império marítimo ― a Liga de Delos ― baseado no poder naval.

Havia tensão nas relações com outros Estados gregos, notavelmente Esparta, cuja falange de hoplita era a melhor do mundo grego.

A feroz disciplina que impregnava a vida espartana assegurou sua supremacia nas batalhas. (GILBERT, 2005, p. 18)

Boa leitura!

SUMÁRIO DA GUERRA DO PELOPONESO

1. O que foi a Guerra do Peloponeso?
2. Tudo que você precisa saber sobre a Guerra do Peloponeso
⠀⠀2.1 Causas: as Guerras Médicas e a Liga de Delos
⠀⠀2.2 Atenas e Corinto: rivalidade
3. O que aconteceu na Guerra do Peloponeso
⠀⠀3.1 A peste de Atenas (Peste do Egito)
⠀⠀3.2 Tratado de Nícias
⠀⠀3.3 O fim da guerra?
⠀⠀3.4 O enfraquecimento de Atenas
⠀⠀3.5 Vitórias espartanas
4. Consequência da Guerra do Peloponeso
Referências

1. O QUE FOI A GUERRA DO PELOPONESO?

A Guerra do Peloponeso acabou colocando Esparta contra Atenas no campo de batalha, sendo uma das guerras civis mais famosas das civilizações antigas e durou cerca de 27 anos.

Enquanto Esparta era uma cidade-Estado de forte cultura militarista, Atenas era um império comercial e político.

Esse conflito se estendeu de 431 até 404 a.C, mesmo com um breve momento de trégua chamado de Paz de Nícias (que deveria ter durado 50 anos, mas nem chegou perto).

A guerra acabou com a vitória dos espartanos, que sobrepujaram a economia ateniense.

A Guerra do Peloponeso acabou por ser diretamente responsável pela fragilização das cidades gregas, que acabariam conquistadas pela Macedônia, de onde partiu Alexandre, o Grande.

mapa dos territórios à época da Guerra do Peloponeso
Mapa da Grécia na época do início da Guerra do Peloponeso. Créditos: Marsyas / Wikimedia Commons.

2. TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A GUERRA DO PELOPONESO

Entenda como a Guerra do Peloponeso surgiu, quais foram os principais acontecimentos e as consequências de todos esses anos de conflitos que enfraqueceram a Grécia.

2.1 Causas: as Guerras Médicas e a Liga de Delos

Foi entre os anos de conflitos das Guerras Médicas que foi criada a Liga de Delos, com o propósito de proporcionar segurança para a Grécia, que se sentia ameaçada pela super potência à época, a Pérsia.

Esta era uma aliança com o objetivo especial de conseguir fundos das cidades para que fosse possível adquirir material bélico.

No entanto, a Liga começou a dar prioridade e benefícios a pólis de Atenas em prejuízo das demais cidades gregas participantes.

Foi justamente com o fundo garantido pela Liga de Delos que Atenas conseguiu o status de centro político, cultural e econômico grego, inclusive sobre a construção de sua excelente frota naval.

Esparta não conseguia aceitar esse cenário, que Atenas tivesse usado a Liga de Delos para aumentar seu poderio.

Sendo assim, iniciou-se a disputa para conseguir a hegemonia econômica e política da Grécia.

Desta forma, resolveram criar outra liga para fazer frente à Liga de Delos que Atenas comandava. Com isso, surgiu a Liga do Peloponeso.

2.2 Atenas e Corinto: rivalidade

A história da Guerra do Peloponeso foi consequência entre a disputa de Atenas e de Corinto, cidade que tinha aliança com Esparta e que fazia parte da Liga do Peloponeso.

Além de Esparta, Corinto, Mégara e Tebas também mantinham a aliança contra os atenienses e a disputa começou de fato em meados de 431 a.C.

Os motivos que fizeram com que a batalha de Peloponeso se iniciasse foram:

  1. A disputa entre Atenas e Corinto;
  2. Reclamações de Corinto à cidade de Esparta.

Os espartanos não poderiam se dar ao luxo de perder a aliança com Corinto, portanto, então declararam guerra à cidade de Atenas.

Geralmente, a Guerra do Peloponeso tem a data de 431 a.C a 404 a.C, porém as escaramuças e ofensas entre Corinto e Atenas já vinham ocorrendo bem antes disso, desde pelo menos 450 a.C.

Esse foi o período em que as cidades de Corinto e Mégara batalharam para controlar o importante Istmo, que ligava a região da Ática ao Peloponeso.

Essa disputa recebeu o nome de Primeira Guerra do Peloponeso e acabou evidenciando quem eram os aliados e quais eram os interesses gregos.

Guerra do peloponeso o istmo de corinto
O Istmo era de fundamental importância para quem o controlasse, pois fazia a importante ligação entre a Península do Peloponeso e o restante da Grécia por terra. Atualmente é conhecido por Istmo de Corinto. Créditos: Google Earth / Montagem: Eudes Bezerra.

3. O QUE ACONTECEU NA GUERRA DO PELOPONESO

“A Guerra do Peloponeso acabou apenas depois de 27 anos de batalhas e foi marcada por várias oscilações”.

As oscilações ocorrem, pois em alguns cenários, Atenas conseguia mostrar que era forte, porém, em outros, Esparta é que arrebatava a vantagem.

Quando o conflito começou, o exército espartano usava seu forte militarismo terrestre. Desta forma, mostravam que estavam mais preparados para esse combate, porém, isso era de conhecimento ateniense.

Já o militarismo de Atenas era mais forte através de sua frota naval que sustentava a cidade diante do seu predomínio do mar Egeu, principalmente após terem investido somas fabulosas nesse quesito com os recursos da Liga de Delos.

3.1 A peste de Atenas (Peste do Egito)

Para que uma batalha terrestre contra o exército espartano fosse evitada, Péricles desenvolveu uma estratégia de refugiar os atenienses para a Pólis, que era protegida por muralhas.

Também foi desenvolvida o ataque da frota de trirremes para um conflito no Peloponeso com o propósito de manter as rotas comerciais de Atenas em segurança.

Porém, o que os atenienses não esperavam era a epidemia que teria sido responsável por matar cerca de um terço de sua população.

A epidemia é chamada de Peste do Egito e matou até mesmo Péricles.

guerra do peloponeso muralha de atenas ao porto de pireu
À época da Guerra do Peloponeso, as táticas de cerco eram rudimentares e cidades muradas eram facilmente defendidas, causando grande desgaste dos atacantes. Por isso, Atenas criou uma muralha até o seu porto de Pireu, o que lhe concedia o comércio no Mediterrâneo. Créditos: autoria desconhecida / Wikipedia Commons.

3.2 Tratado de Nícias

Ambos os exércitos continuaram com os mesmos objetivos até o ano de 427 a.C., onde apenas pequenas batalhas eram travadas.

Em 425 a.C, Atenas conseguiu vencer uma batalha em Pilos.

292 soldados de Esparta foram feitos de prisioneiros, porém, após perdas militares em anos seguintes, fizeram com que os lados assinassem um tratado de paz em 421 a.C.

O acordo ficou conhecido como Tratado de Nícias e estipulava trégua de 50 anos, porém, teria durado menos que 7 anos.

Em 414 a.C., o que esse tratado propunha acabou sendo desobedecido, visto que na em prática nunca houve real paz.

3.3 O fim da guerra?

“Depois do acordo Paz de Nícias, todos os problemas que aconteciam em Atenas acabaram se ampliando”.

Dentro de Atenas havia alguns grupos que defendiam a oligarquia, o que foi conseguido. Desta forma, mais um grande problema interno surgiu para a cidade.

As indecisões acabavam prejudicando o exército ateniense, pois a população e os líderes não eram capazes de se entender, resultando no enfraquecimento ao longo dessa guerra.

A liderança de Péricles, que finalizou com a morte do líder pela peste, fazia muita falta durante o desenrolar dessa disputa.

3.4 O enfraquecimento de Atenas

Esparta, em 413 a.C., resolveu atacar a economia ateniense ao conseguir domínio sob as essenciais minas de prata dos atenienses.

Desta maneira, sem a prata, Atenas passou a ter diversos problemas com as suas finanças.

Consequentemente esse problema refletiu no exército da cidade, fazendo com que algumas cidades saíssem da aliança após tantas as derrotas.

Outro momento de derrota, mais um motivo para fazer com que Atenas perdesse recaiu quando o povo espartano começou a receber propostas de possibilidade de mudança de lado nos conflitos, já que Pérsia dava apoio a Esparta.

A Pérsia, que havia travado a famosa Batalha das Termópilas contra Esparta em 490 a.C., apostava suas fichas no impressionante poderio Espartano e havia alguma aliança entre as antigas rivais.

Desta forma, Atenas apenas enxergava seu futuro cada vez pior, visto que tudo parecia conspirar para a sua derrota, quando, inicialmente, tudo lhe era favorável.

3.5 Vitórias espartanas

Em determinado, Esparta começou a vencer com a ajuda do ouro que vinha de Pérsia, assim como das brilhantes ideias de guerra de Lisandro, um espartano foi essencial para as vitórias.

  • A vitória na Batalha de Egospótamos;
  • O controle de Lâmpsaco;
  • O domínio do Helesponto.

Essas foram alguma das vitórias dos espartanos que colocaram Atenas em uma péssima situação, consequentemente com a cidade-Estado de Esparta vencendo a Guerra do Peloponeso ― Atenas se rendeu.

A rendição permitiu que Esparta destruísse muralhas atenienses, assim como desfez o império marítimo de Atenas.

Dessa forma, Esparta conseguiu ser a força predominante na Grécia Antiga.

A guerra do Peloponeso foi diferente de tudo que já tinha acontecido, pois muitas estratégias militares eram colocadas em prática.

4. CONSEQUÊNCIA DA GUERRA DO PELOPONESO

O longo conflito entre as cidades de Esparta e Atenas acabou por enfraquecer a Grécia como um todo, abrindo espaço para invasões externas.

Devido a maneira como Esparta controlava as civilizações dominadas (com mãos de ferro), o controle acabou bem rápido durando apenas 30 anos.

Além disso, outro conflito acabou prejudicando muito a Grécia, dessa vez entre Esparta e Tebas, onde os enfraquecidos espartanos foram derrotados, deixando os tebanos em situação similar.

Com isso, a Grécia, enfraquecida e sem liderança adequada, sofreu invasão da Macedônia quando o rei Filipe II, pai de Alexandre, conquistou o mundo grego.

Portanto, a Guerra do Peloponeso e o nascimento do Império da Macedônia se relacionam diretamente.

Alexandre o grande
Alexandre, o Grande, a frente das suas imbatíveis falanges macedônicas. Créditos: autoria desconhecida.

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais! Você conhece a loja www.vestindohistoria.com.br? É uma ótima opção para quem procura por camisetas com frases e imagens históricas!


REFERÊNCIA(S):

BRAICK, Patrícia Ramos; MOTA, Myriam Becho. História: das cavernas ao terceiro milênio. 3ª ed. reform. e atual. São Paulo: Moderna, 2007.
GILBERT, Adrian. Enciclopédia das Guerras: Conflitos Mundiais Através do Tempo. trad. Roger dos Santos. São Paulo: M. Books, 2005.
VINCENTINO, Cláudio; DORIGO, Gianpaolo. História Geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2002.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]

Autor: Eudes Bezerra

33 anos, pernambucano arretado, bacharel em Direito e graduando em História. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário. Gosta de ler, escrever, planejar e principalmente executar o que planeja. Na Internet, atua de despachante a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top