Poitiers, 1356: a vitória do Príncipe Negro

pintura mostrando a batalha de poitiers
Batalha de Poitiers, de Eugene Delacroix.

Em 19 de setembro de 1356, Eduardo, o Príncipe Negro, com apenas 7 mil ingleses, derrotou um poderoso exército francês composto por 20 mil soldados e capturou seu rei, João II. A façanha de Eduardo ocorreu na Batalha de Poitiers, durante a Guerra dos Cem Anos (1337–1453).

A vitória em Poitiers, assim como na Batalha de Crecy (1346), fez-se garantida através dos arqueiros ingleses armados com arcos longos, que conseguiam disparar até doze flechas por minutos (duas vezes mais que os arqueiros franceses), e pelo comando rápido e preparado de Eduardo que viu a oportunidade e não a desperdiçou: em preciso momento da luta, lançou duas cargas de cavalaria — sendo uma comandada pelo próprio Príncipe Negro — em um furioso ataque contra a linha francesa que soberbamente não esperava a ação de choque, o que causou grande desordem e a consequente derrota dos franceses.

Doravante, com o rei João II preso, os cofres franceses teriam que desembolsar a exorbitante quantia de 3 milhões de coroas de ouro pelo resgate, devendo também a França ceder a Aquitânia à Inglaterra, que acabou tendo Eduardo como seu governante.


Curiosidade

A respeito do peculiar apelido de Eduardo (“Príncipe Negro”), acredita-se que sua origem decorra dos próprios franceses que assim o chamavam devido à sua armadura de tom escuro. O “Príncipe” provém do título exercido por Eduardo, príncipe de Gales, desde 1343.


REFERÊNCIAS:
CAWTHORNE, Nigel. Os 100 Maiores Líderes Militares da História. trad. Pedro Libânio. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010.
JESTICE, Phyllis G. História das Guerras e Batalhas Medievais. O Desenvolvimento de Técnicas, Armas, Exército e Invenções de Guerra na Idade Média. trad. Milton Mira de Assumpção Filho. São Paulo: M. Books, 2012.