Transição da Idade Média para Idade Moderna

Transição da Idade Média para Idade Moderna
Transição da Idade Média para Idade Moderna: Crise do Feudalismo, comércio, burguesia, formação dos Estados nacionais… Aproveite! Créditos: 1ª imagem: Pieter Bruegel, o Velho; 2ª imagem: autoria desconhecida / Montagem: Eudes Bezerra.

Transição da Idade Média para Idade Moderna foi um processo longo e gradual, respeitando o espaço e o tempo de cada região. Ainda que o termo seja impreciso, ficou marcado por um tempo de grandes eventos que mudaram para sempre as estruturas políticas, sociais e econômicas.

A guerra era frequente no final da Idade Média. Como em todas as outras épocas, as disputas pela propriedade da terra ou pelo controle de recursos naturais levaram a hostilidades frequentes entre governantes rivais.

Na primeira parte do período, o sistema feudal dominou e os exércitos eram praticamente recrutados como parte do serviço dos vassalos aos senhores. A guerra era limitada por regras e códigos de honra.

No século XIV, os exércitos se tornaram mais profissionais; desenvolveram-se novas armas e a natureza da guerra começou a mudar.

No entanto, o maior terremoto daquele século não foi uma guerra, mas uma epidemia: a peste negra”. (WOOLF, 2014, p. 114, grifo nosso)

Boa leitura!

TÓPICOS SOBRE A TRANSIÇÃO DA IDADE MÉDIA PARA A IDADE MODERNA

1. O que é a Idade Moderna?
2. Histórico: Decadência e crise do Feudalismo
3. Transição da Idade Média para Idade Moderna
4. Transição da Idade Média para Idade Moderna e a mobilidade e reordenação social
5. Nobreza e Burguesia
6. Comércio (burguesia) e o monarca (rei)
Referências

1. O QUE É A IDADE MODERNA?

A Idade Moderna, tradicionalmente, é o tempo delimitado entre 1453 (queda de Constantinopla para os Turcos Otomanos) e 1789 (Revolução Francesa).

Atualmente, essa divisão tem sido duramente combatida por historiadores de todo o mundo, tendo uma grande influência da chamada Escola dos Annales (assunto para outra matéria).

Ocorre que a tradicional divisão histórica indica a noção de supostas rupturas totais ou equivalentes com o antigo sistema (o medieval), o que nem de longe aconteceu, sendo tudo um longo e demorado processo de transição da Idade Média para a Moderna.

conquista de constantinopla pelos turcos otomanos
Após um custoso cerco à capital bizantina, as imponentes muralhas de Constantinopla foram vencidas pelos Turcos Otomanos em 1453 sob a liderança de Mohamed, o Grande. Créditos: Guérin Nicolas.

2. HISTÓRICO: DECADÊNCIA E CRISE DO FEUDALISMO

O sistema feudal, basicamente, desde o início da Baixa Idade Média, entre os séculos XI e XIV, teve o seu apogeu, igualmente como o seu declínio logo em seguida.

Uma série de causas golpearam o sistema feudal, como pode ser visto abaixo:

A Idade Média ficou marcada por guerras entre os senhores feudais, que buscavam aumento de poder e influência na região (feudos próximos, geralmente).

As Cruzadas, por exemplo, teriam sido uma das formas de reduzir os impactos desses conflitos armados dentro da própria Europa feudal após o Concílio de Clermont, realizado em 27 de novembro de 1095 pelo papa Urbano II.

No século XIV, um período de grande agitação, o Feudalismo entrou em completo declínio, mas de forma lenta ao ponto de não se ter consenso acerca do seu fim exatamente (cada região teve as suas particularidades no espaço e tempo).

As Cruzadas, iniciadas logo após o Concílio de Clermont em 1095, reabriu as rotas comerciais e com isso a possibilidade de movimentação social da terceira e mais pobre camada da sociedade, os camponeses, que algum tempo depois geraria a burguesia.

O restabelecimento de rotas comerciais também traria as famosas especiarias, riquezas e o indesejado: a Peste Bubônica, que dizimaria ao menos um terço da população europeia (algumas fontes indicam centenas de milhões, mas não são confiáveis).

Outro fator que contribuiu para a perda de poder dos senhores feudais foi a longa Guerra dos Cem Anos, que destruiu estruturas, como estradas e pontes, dificultando a própria estrutura econômica feudalista.

Assim, grandes revoltas surgiram devido à fome, às pestes e às guerras, causando um êxodo rural em direção aos centros urbanos.

crise do feudalismo
A pintura O Triunfo da Morte, Pieter Bruegel, expressa bem as dificuldades do século XIV que selaram o destino do modelo. Obra constante no Museu do Prado, Espanha.

3. TRANSIÇÃO DA IDADE MÉDIA PARA IDADE MODERNA

Acima de tudo, mas ainda utilizando as mesmas estruturas da sociedade medieval, houve uma reordenação social, onde a imutabilidade de ascensão ou declínio na hierarquia social foi rompida, criando diversas formas de se ascender socialmente.

Contudo, diferentemente do que se imagina, eventos significativos como estes não se dão de um dia para o outros, sendo por vezes demorando até séculos.

A própria Igreja Católica, na maioria das nações que estão por se formar neste período, começou a perder poder e por diversos fatores, como a Peste Negra, a Reforma Protestante, o Renascimento.

4. TRANSIÇÃO DA IDADE MÉDIA PARA IDADE MODERNA E A MOBILIDADE E REORDENAÇÃO SOCIAL

Durante grande parte da era feudal o poder era fragmentado e essa descentralização favorecia insurgências externas, como invasões, e internas, como as revoltas populares devido às doenças e à fome.

Com a escalada de revoltas nas camadas populares e sem ter como contê-las através da força, os feudos, aos poucos, foram se unindo em torno de um monarca e essa figura, a do rei, começa a ter novamente prestígio e poder (político e jurídico).

Essa centralização de poder ajudou a criar o que seria chamado de identidade nacional por unificar os padrões, moedas, impostos e a cultura de determinado território ocupado por agora um mesmo povo sob a liderança de uma só pessoa e seu séquito de seguidores.

A centralização também facilitou a formação de um único exército profissional e regular a serviço da nobreza sob liderança do monarca, gerando assim, também, o embrião do que chamaríamos de Formação dos Estados Modernos (europeus) e o Absolutismo.

transição da idade média para idade moderna o Rei-Sol Luís XIV
A figura do rei teve seu papel ressignificado e em alguns países, como a França, seu poder foi tamanho que Luís XIV, o rei-Sol, fazia propaganda de si como um próprio deus. Créditos: Hyacinthe Rigaud / Museu do Louvre, Paris, França.

5. NOBREZA E BURGUESIA

A nobreza, com seus cavaleiros supostamente honrados, era a grande detentora de prestígio na sociedade feudal, “abaixo” apenas do clero da Igreja Católica.

A nobreza era forte por possuir uma grande quantidade terras que eram cultivadas pelo escalão mais baixo da sociedade: os vassalos, ou servos.

Com a reabertura das rotas comerciais e a oportunidade de melhores condições de vida, muitos camponeses abandonaram os campos para tentar a vida nos centros urbanos.

As cidades foram novamente grandemente reabitadas (após a queda do Império Romano do Ocidente, havia ocorrido o contrário: o êxodo urbano).

O campesinato, que era habituado às difíceis condições de vida da época, foi progressivamente crescendo e prosperando no comércio, dando vida à classe burguesa.

À medida em que a burguesia emergia socialmente, a nobreza declinava e um equilíbrio de poder mudou no decorrer do tempo.

A figura do rei, agora um soberano perante todos, geralmente possuíam interesse em comuns com as atividades da Burguesia, na qual o comércio representava uma gigantesca fonte de renda.

A nobreza, que vivia de títulos, mostrava-se decadente e ainda arraigada ao sistema feudal, chegando ao ponto dos próprios burgueses, que não eram nobres, comprarem títulos e terras para aumentar seus status.

Dessa forma, a burguesia e nobreza acabaram por se mesclar, assim por dizer, durante um longo processo que duraria séculos (transição da Idade Média para Idade Moderna).

transição da idade média para moderna cambista e esposa fazendo contas
A ascensão da burguesia forneceu um novo e aparentemente irrefreável conjunto de modificações que solapou a sociedade medieval. Na pintura, tem-se um banqueiro (cambista) e a sua esposa. Créditos: Quentin Massys / Museu do Louvre, Paris, França.

6. COMÉRCIO (BURGUESIA) E O MONARCA (REI)

A burguesia possuía grande interesse na unificação e centralização do poder para que regras básicas fossem válidas e usuais em longas extensões territoriais e não mais de feudo para feudo, como ocorria antes.

O monarca possuía o poder político e a burguesia o econômico. O monarca se tornou capaz de fornecer ordem em seu território e não ser mais contestado por outros donos de terras, como outrora ocorria devido à fragmentação do poder feudal.

Dessa forma, tanto nobres quanto o povo (e até mesmo a Igreja Católica) tiveram que respeitar as decisões reais, não por apenas possuir um exército regular e profissional, mas também por ter o apoio financeiro burguês.

Assim, basicamente, teria ocorrido “casamento” entre a coroa e a burguesia, tendo cada país seu modo específico e preponderância de se unificar na balança de poder e no relógio do tempo.

Possivelmente, o resultado mais retumbante seja justamente as Grandes Navegações (Era dos “Descobrimentos”), que puseram a Europa no centro do mundo e que geraria o Eurocentrismo.

transição da idade média para a idade moderna as grandes navegações
As Grandes Navegações mudaram não só a Europa como o mundo, que, a partir de cada descobrimento por parte dos povos europeus, teria sua vida completamente mudada. Créditos: autoria desconhecida / A frota de Cabral ao sair do rio Tejo, em Portugal.

camisetas de história vestindo história
Você conhece a loja Vestindo História? São camisetas com frases e grandes imagens históricas. Acesse já!

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais! Você conhece a loja www.vestindohistoria.com.br? É uma ótima opção para quem procura por camisetas com frases e imagens históricas!


REFERÊNCIA(S):

BEZERRA, Eudes. Guerra dos Cem Anos, a mais longa guerra da história. Acesso em: 13 fev. 2020.
BEZERRA, Eudes. Burguesia: Origem e características (resumo). Acesso em: 13 fev. 2020.
BEZERRA, Eudes. Formação dos Estados Modernos (resumo). Acesso em: 13 fev. 2020.
BEZERRA, Eudes. Grandes Navegações, a Era dos Descobrimentos. Acesso em: 13 fev. 2020.
BEZERRA, Eudes. O que é Feudalismo? Características do sistema feudal. Acesso em: 13 fev. 2020.
BEZERRA, Eudes. O Concílio de Clermont e a Primeira Cruzada. Acesso em: 13 fev. 2020.
SILVA, Marcelo Cândido da. História Medieval. 1. ed., 2ª reimpressão. Coleção História na universidade. São Paulo: Contexto, 2010.
MACELI, Paulo. História Moderna. 1. ed. 4º reimpressão. Coleção História na universidade. São Paulo: Contexto, 2020.
WOOLF, Alex. Uma nova história do mundo. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda, 2014.
IMAGEM(NS):
Buscou-se informações para creditar a(s) imagem(ns), contudo, nada foi encontrado. Caso saiba, por gentileza, entrar em contato: [email protected]

Autor: Eudes Bezerra

33 anos, pernambucano arretado, bacharel em Direito e graduando em História. Diligencia pesquisas especialmente sobre História Militar, Crime Organizado e Sistema Penitenciário. Gosta de ler, escrever, planejar e principalmente executar o que planeja. Na Internet, atua de despachante a patrão, enfatizando a criação de conteúdo.

Publicações de Eudes Bezerra
Top